Londres 2012: Arábia Saudita permite que atletas mulheres participem dos Jogos

Atualizado em  25 de junho, 2012 - 07:26 (Brasília) 10:26 GMT
A saltadora saudita Dalma Rushdi Malhas. | Foto: AFP

Dalma Rushdi é tida como a única atleta mulher saudita a ter padrão para competir em Londres

A Arábia Saudita decidiu permitir, pela primeira vez, que atletas mulheres participem dos Jogos Olímpicos.

Um comunicado da Embaixada Saudita em Londres diz que o comitê Olímpico do país irá "supervisionar a participação de mulheres atletas que se qualificarem".

A decisão põe fim aos pedidos de desqualificação do país dos Jogos de Londres por discriminação de gênero.

A participação pública de mulheres no esporte ainda sofre forte oposição de diversos religiosos conservadores no país, onde quase não há tradição de mulheres esportistas.

O comunicado veio a cinco semanas do início da Olimpíada e acredita-se que apenas uma única mulher ainda teria chances de se classificar para os Jogos, a amazona Dalma Rushdi Malhas.

As autoridades recomendaram que quem conseguisse a classificação deveriam se vestir de modo a "preservar sua dignidade".

Na prática, isso significa usar roupas soltas, modestas e um "hijab esportivo" - um lenço que cobre o cabelo, mas não o rosto.

No país, a decisão de permitir a classificação de mulheres é tida como um grande passo progressista. Ela veio após negociações secretas entre o rei Abdullah, que há muito vem pressionando para que mulheres tenham um papel mais ativo na sociedade, o príncipe herdeiro, o ministro das Relações Exterior e várias lideranças religiosas do país.

Time de basquete Jeddah United. | Foto: AFP

Atletas promovem o esporte feminino no país, onde as escolas não ensinam educação física a mulheres

"O rei Abdullah está tentando iniciar a reforma de uma maneira sutil, encontrando o equilíbrio correto entre ir muito rápido e muito devagar", disse um alto oficial à BBC.

"Por exemplo, ele permitiu a participação de mulheres no conselho Shura (uma junta que presta aconselhamento), então a decisão olímpica é parte de um processo contínuo, não é isolada."

O oficial reconheceu que a recusa de deixar que mulheres participassem dos Jogos causaria uma má impressão na comunidade internacional.

"Em parte por causa do aumento das críticas, nós acordamos e percebemos que tínhamos que lidar com isso. Acreditamos que a sociedade saudita aceitará isso", afirmou.

Não é a primeira vez que um monarca saudita apoiou uma reforma controversa contra a oposição doméstica.

O rei Faisal, que levou a televisão ao país nos anos 1960 e foi eventualmente assassinado, insistiu em introduzir a educação para garotas.

Hoje, o número de mulheres sauditas formadas nas universidades é maior do que o de homens.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.