Ministro de Dilma diz esperar reação do Mercosul à queda de Lugo

Atualizado em  28 de junho, 2012 - 05:22 (Brasília) 08:22 GMT

Fique por dentro: A crise paraguaia e a posição do Brasil

Enviada especial da BBC Brasil à reunião do Mercosul na Argentina explica os desdobramentos e os movimentos regionais após o impeachment de Fernando Lugo.

Assistirmp4

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, diz esperar que a reunião de cúpula do Mercosul, que começa nesta quinta-feira na cidade argentina de Mendoza, gere uma manifestação contra o impeachment relâmpago de Fernando Lugo da Presidência do Paraguai.

"Esperamos que a cúpula faça uma manifestação forte e definitiva contra o que aconteceu com o Lugo e nossos irmãos paraguaios", afirmou Carvalho.

Segundo ele, "não se pode aceitar o que houve no Paraguai porque vai na contramão de tudo o que temos constituído". As declarações do ministro foram feitas durante discurso na quarta-feira para uma multidão que erguia bandeiras do Paraguai e da Argentina no chamado "Encontro Social do Mercosul" com entidades e movimentos sociais.

Carvalho costuma ser definido como o elo entre o governo da presidente Dilma Rousseff e os movimentos sociais. "Não se pode vilipendiar um processo eleitoral legítimo que elegeu um representante popular, que é Lugo".

Policiais passam em frente a pixação contra impeachment em Assunção

Para parcela dos paraguaios, impeachment relâmpago de Fernando Lugo foi "golpe"

Na sua opinião, o impeachment, na semana passada, foi "uma reação dos que têm medo da democracia popular". Carvalho destacou a importância da "solidariedade com os paraguaios".

Na mesma linha de defesa de Lugo e contra sua saída do palácio presidencial, o ministro das Relações Exteriores da Argentina, Hector Timerman, disse que os países do Mercosul e da Unasul "repudiam" o que ocorreu no Paraguai.

Eles não citaram o nome do ex-vice-presidente de Lugo, Federico Franco, que assumiu a Presidência do país. "Na sexta-feira, Fernando Lugo não estava sozinho. Os companheiros paraguaios que (no encontro) erguem as bandeiras não estão sozinhos. O Paraguai não está sozinho", afrmou Timerman.

Repetição

Ele afirmou que ocorreram "muitos golpes" ao longo da historia da América Latina e indicou que por essa razão existe reação regional contra o episódio no Paraguai. Ele sugeriu que existe temor de que o que ocorreu no Paraguai possa se repetir em outro país da região.

"Nós estamos comprometidos com a cláusula democrática e vamos defender todos os instrumentos internacionais que assinamos. Porque se nos descuidarmos farão o mesmo na República do Uruguai, o mesmo no Brasil e em todos os países da região, porque não toleram que lhes governem", afirmou.

Segundo ele, grupos opositores pretenderiam, se pudessem, "destituir" a presidente argentina Cristina Kirchner. A cada frase mais entusiasmada dos oradores, os manifestantes aplaudiam e erguiam bandeiras. Segundo Tirmerman, não há intenção dos países da região de prejudicar os paraguaios.

No encontro de cúpula em Mendoza, nestas quinta e sexta-feiras, deverão ser discutidas formas de sanção ao Paraguai, que foi suspenso da reunião após a destituição de Lugo.

"Muitos dizem que não podemos provocar danos ao povo paraguaio. Eu falei sobre esse assunto com os opositores de Fernando Lugo e lhes disse: são vocês os que estão provocando danos ao povo paraguaio. Nunca provocaremos danos ao povo paraguaio", disse o ministro das Relações Exteriores da Argentina.

Policiais guardam área próxima a hotel onde haverá uma reunião do Mercosul (foto: Reuters)

Policiais argentinos guardam área próxima a hotel onde haverá uma reunião do Mercosul.

Timerman afirmou ainda que a reação conjunta do Mercosul é em "solidariedade" aos paraguaios e não porque se pretenda intervir na política do país vizinho.

Ele afirmou que a Unasul agiu em diferentes situações como no "golpe" em Honduras e nas tentativas de quebra da institucionalidade provocada por opositores na Bolívia e no Equador.

Segundo ele, é preciso estar atento aos que "não gostam de ser governados" pelos atuais presidentes. No discurso, ele citou os nomes das presidentes Dilma e Cristina e dos presidentes do Uruguai, José Mujica, e da Bolívia, Evo Morales. A Argentina está na presidência temporária do Mercosul e por esta razão a reunião é em Mendoza.

Na sexta-feira, o encontro será entre os presidentes da Unasul (que reúne todos os países da América do Sul). A Argentina, como afirmaram analistas paraguaios ouvidos pela BBC Brasil, teve uma reação "mais forte" que a do Brasil ao retirar seu embaixador do Paraguai logo após a destituição de Lugo. O Brasil e o Uruguai chamaram seus embaixadores para consultas.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.