Momentos Olimpícos: 'Apagão' fez Brasil desperdiçar chance de ouro em 1996, diz Ronaldo

Roberto Carlos disputa bola com Kanu durante semifinal olímpica de 1996 Direito de imagem Getty
Image caption Kanu (em disputa de bola com Roberto Carlos) foi o grande destaque da seleção nigeriana em 1996

O ouro olímpico é a única grande conquista que falta ao futebol masculino brasileiro.

Por duas vezes, a seleção brasileira foi vice-campeã - em 1984 e 1988 -, mas o maior trauma do futebol olímpico brasileiro é provavelmente a participação nos Jogos de Atlanta, em 1996, quando perdeu da Nigéria na semifinal depois de estar vencendo por 3 a 1 a dez minutos para o fim da partida.

O ex-atacante Ronaldo, uma das estrelas daquela seleção, lamenta a oportunidade perdida e disse à BBC que a equipe sofreu um inexplicável "apagão" no fim da partida.

"É incrível, tivemos tantas oportunidades", comentou Ronaldo em uma entrevista recente ao ex-jogador britânico Gary Lineker, atualmente comentarista de futebol na BBC.

"Estávamos na frente na semifinal contra a Nigéria, por 3 a 1. Faltando dez minutos para o final do jogo, sofremos um apagão. E acabamos perdendo por 4 a 3", disse.

A seleção brasileira chegou àquela semifinal, disputada na cidade de Athens, no Estado da Geórgia, como franca favorita contra a Nigéria, à qual já tinha derrotado na primeira fase da competição.

Além de Ronaldo, a equipe treinada por Zagallo tinha ainda grandes nomes como Roberto Carlos, Dida, Rivaldo, Aldair e Bebeto.

Fácil

Image caption Ronaldo era um dos principais destaques da seleção olímpica do Brasil nos Jogos de 1996

O Brasil começou a semifinal com pinta de que ganharia com facilidade, abrindo o placar logo no primeiro minuto da partida, com um gol de falta de Flávio Conceição. A Nigéria empatou com um gol contra de Roberto Carlos, mas o Brasil voltou à frente e ampliou ainda no primeiro tempo, com gols de Bebeto e novamente Flávio Conceição.

A vitória parecia garantida quando o goleiro Dida defendeu um pênalti cobrado por Okocha, já no segundo tempo. Mas aos 35 minutos, Rivaldo perdeu uma bola e permitiu um contra-ataque da Nigéria, que acabou nos pés de Ikpeba, que descontou para os africanos. Já nos descontos, Kanu empatou aproveitando uma falha de Dida.

A prorrogação durou apenas 4 minutos e terminou com mais um gol do atacante Kanu, já que naquela Olimpíada estava vigente a regra da "morte súbita", segundo a qual vencia a partida a primeira equipe a marcar um gol.

A derrota deixou marcas também em outros integrantes daquela seleção. Em uma entrevista há alguns anos, o treinador Zagallo afirmou que o jogo contra a Nigéria nos Jogos de 1996 foi a maior decepção de sua carreira, ainda mais do que a derrota na final da Copa do Mundo de 1998 para a França.

A Nigéria acabou derrotando a Argentina na final para se tornar a primeira nação africana a conquistar a medalha de ouro olímpica no futebol.

Quatro anos depois, nos Jogos de Sydney, foi a vez de Camarões chegar ao ouro – após desclassificar o Brasil nas quartas-de-final.

'Honra'

Image caption Em entrevista a Lineker, comentarista da BBC, Ronaldo disse que foi uma 'honra' estar nos Jogos

Para Ronaldo, o público brasileiro "ama" o torneio de futebol olímpico. "Principalmente porque nunca ganhamos a medalha de ouro", disse.

O ex-atacante se diz confiante com o sucesso desta vez. "Temos a base dos jogadores que ganharam o último Mundial sub-20. Então há muita esperança de que neste ano possamos ganhar", disse.

Para ele, a experiência de jogar na Olimpíada de 1996 foi importante para sua carreira, apesar da derrota.

"Fui à Copa do Mundo em 1994 e não pude jogar nem um único minuto. Dois anos depois, fui à Olimpíada de Atlanta e foi uma experiência fantástica", disse. "Para qualquer atleta, é uma honra participar de uma Olimpíada."

Notícias relacionadas