Londres 2012: Assédio de clubes atrapalha concentração da Seleção, diz capitão

Foto: Rafael Ribeiro/ CBF Direito de imagem CBF
Image caption Thiago Silva é um dos três atletas com mais de 23 anos no futebol Foto: Rafael Ribeiro/ CBF

O assédio de clubes europeus aos brasileiros da seleção atrapalha a concentração dos jogadores que tentam em Londres 2012 conquistar o primeiro ouro olímpico do Brasil no futebol.

A avaliação foi feita nesta quinta-feira pelo capitão do time, Thiago Silva, um dos jogadores mais experientes da seleção olímpica, e que sofreu exatamente com este problema na semana passada.

Enquanto treinava no Rio de Janeiro para as Olimpíadas, Thiago Silva foi transferido do italiano Milan para o francês Paris Saint-Germain. O jogador foi vendido junto com o atacante sueco Zlatan Ibrahimovic, em uma negociação que teria chegado a 65 milhões de euros (mais de R$ 160 milhões).

Na pacata St. Albans, vilarejo escolhido pela seleção para preparação para o torneio olímpico de futebol, outros dois jogadores enfrentam o mesmo assédio. O meia Oscar, do Internacional, e o atacante Hulk, do Porto – ambos titulares da seleção de Mano Menezes – estão sendo procurados por times ingleses.

Especulações

"Vou ser bem sincero. Às vezes [o assédio] atrapalha. Você está focado em uma competição importante como essa e daqui a pouco você entra em um site e vê uma notícia 'fulano vai para tal lugar', 'fulano pode ficar', 'fulano vai sair', isso é difícil para a gente", disse Thiago Silva em coletiva.

"Tive há pouco tempo essa transferência para Paris e foi difícil para mim. Querendo ou não, é inevitável você ficar com a cabeça lá, porque não está nada decidido ainda. Falei com meu procurador para ele decidir isso o mais rápido possível, porque eu não estava conseguindo me focar dentro da seleção."

O caso mais urgente é o do jogador Oscar, do Internacional. A janela de transferência do futebol brasileiro encerra-se na sexta-feira.

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

A imprensa britânica dá praticamente como certa a transferência de Oscar para o Chelsea. Segundo o jornal britânico Guardian, o jogador teria ido na terça-feira direto do aeroporto de Heathrow para uma clínica no sudoeste de Londres, onde teria sido submetido a um exame médico. O valor da transação poderia chegar a 25 milhões de libras (quase R$ 80 milhões).

Outro alvo de assédio é o atacante Hulk. Na terça-feira, ele recebeu a visita do técnico do Tottenham Hotspurs, André Villas-Boas, com quem trabalhou no Porto. O técnico disse que foi visitar o meia Sandro, que joga em seu clube.

Após o encontro, a imprensa britânica noticiou que o Tottenham está na briga com o Chelsea para contratar Hulk. O Porto estaria pedindo 38 milhões de libras (cerca de R$ 120 milhões).

O capitão da Seleção olímpica disse, sem citar nomes, que os jogadores devem definir logo suas transferências para se concentrar exclusivamente nos Jogos.

"Hoje eu estou focado 100% para poder ajudar a Seleção. Espero também que os outros jogadores que estão nesta aflição de ir ou não ir resolvam logo, porque é difícil lidar com isso."

Pressão

Thiago Silva deu em St. Albans a sua primeira entrevista desde que foi anunciada a transferência para o PSG, no sábado.

"Fiquei muito contente com a minha transferência [para o Paris Saint-Germain], mas fiquei triste também com minha saída do Milan. Eu vivi emoções muito fortes ali dentro", disse o jogador, que confessou que não tinha planos de sair da Itália para a França.

"Não foi 100% minha decisão, pois eu tinha renovado [com o Milan] uma semana antes de ir para o Paris. As pessoas falam [que sou] 'mercenário, mercenário', e eu fico chateado com isso. Não estou indo para o Paris para ganhar mais do que eu ganhava no Milan. A culpa não é minha, peço desculpas aos torcedores, que vivem de emoções."

O técnico Mano Menezes disse que é preciso lidar com "naturalidade" com as pressões exercidas pelos clubes.

"Sempre na metade do ano, o futebol brasileiro convive com situações como essa. Já foi, em determinados momentos, até pior, porque a saída dos nossos principais jogadores era maior", disse Mano Menezes.

"Aqui, porque a Seleção é composta por jovens jogadores, isso também está acontecendo, e pertence à vida individual de cada um."

Amistoso

O técnico minimizou o impacto do assédio dos clubes na preparação da Seleção para as Olimpíadas.

"Nesta hora, você separa estas questões individuais, que são do direito deles, e também não estou vendo nenhum tipo de prejuízo ao trabalho que estamos fazendo no dia-a-dia."

Na sexta-feira, o Brasil joga um amistoso em Middlesbrough contra a Grã-Bretanha. Mano avalia que a seleção da casa está entre as favoritas a conquistar o ouro no futebol – ao lado do próprio Brasil, do México, da Espanha e do Uruguai.

Mano já escalou o time titular para o único teste da seleção antes da estreia contra o Egito, no dia 26: Rafael Cabral; Rafael, Thiago Silva, Juan e Marcelo; Sandro, Rômulo e Oscar; Hulk, Neymar e Leandro Damião.

Notícias relacionadas