Olimpíada 'esvazia' comércio e turismo de Londres

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Apesar de Londres ter sido "invadida" por atletas e amantes do esporte por causa dos Jogos Olímpicos, as visitas a museus ou a outras atrações turísticas da cidade estão longe de corresponder às expectativas mais otimistas.

Ao contrário do que inicialmente esperavam autoridades britânicas, a quantidade de turistas tradicionais na cidade caiu em vez de crescer, segundo a Associação Europeia de Operadores de Turismo (ETOA, na sigla em inglês) - que já havia alertado para essa possibilidade.

"Estimamos que tenha havido uma queda de 50% no número de turistas tradicionais, embora os dados ainda não estejam consolidados", disse à BBC Brasil Tom Jenkins, diretor-executivo da ETOA.

Segundo Jenkins nesta época do ano, Londres recebe cerca de 1,1 milhão de visitantes por dia, sendo 400 mil estrangeiros e 800 mil britânicos. O número desses turistas tradicionais, interessados em compras, museus e na cena cultural da cidade, teria caído para algo em torno de 550 mil.

É verdade que, por causa da Olimpíada, cerca de 100 mil estrangeiros e 400 mil britânicos estariam passando pela cidade por dia para acompanhar os jogos - seriam os chamados turistas "olímpicos".

O problema, segundo Jenkins é que esses visitantes estariam pouco interessados em outros programas e atrações - e por isso alguns setores do comércio, os táxis, os museus e os teatros estariam vendo seus lucros caírem, apesar de Londres ser hoje o centro das atenções internacionais.

De acordo com a Association of Leading Visitor Attractions, que representa os principais museus, galerias e atrações turísticas de Londres, a frequência em seus estabelecimentos teve uma queda de até 35% nas últimas semanas por causa da Olimpíada.

Está mais fácil encontrar ingressos para as peças e espetáculos da cidade ou mesmo ir às compras na popular Oxford Street.

Os hotéis de Londres costumam ser caros e ter altos níveis de ocupação - mas não estão particularmente mais cheios com os Jogos, segundo a ETOA. E a superlotação nos meios de transporte, que alguns previam antes dos jogos, não se concretizou.

Pelo contrário: em determinados horários, o metrô, e até algumas regiões da cidade que segundo a prefeitura deveriam ser "evitadas" durante as competições, estão surpreendentemente vazias.

Image caption Pontos como Trafalgar Square estão mais vazios do que se esperava

"Jogos transformam Londres em uma cidade-fantasma", chegou a anunciar o jornal Financial Times, na capa de sua edição desta terça-feira.

Cidade tranquila

O esvaziamento de algumas regiões de Londres reflete em parte esse medo dos turistas "tradicionais" de que os Jogos levassem os preços dos hotéis para as alturas e criassem filas quilométricas nas principais atrações turísticas da cidade.

Mas também foi o resultado de ajustes feitos pelos habitantes da cidade e imediações em sua rotina de trabalho e lazer.

Semanas antes da Olimpíada, a Transport for London, companhia que cuida do transporte da cidade, já recomendava que os usuários de transporte público andassem a pé em vez de pegar trem e metrô durante as competições.

As empresas também eram instruídas a permitir que seus empregados trabalhassem de casa ou mudassem seus horários de serviço para evitar horários de pico.

"Saia na frente dos jogos", dizia a campanha lançada pela Transport for London, segundo a qual o número de pessoas usando transporte público no período dos Jogos poderia crescer de 12 milhões para algo em torno de 13 milhões a 15 milhões.

O cenário pintado por boa parte da mídia local até a última sexta-feira era de um possível caos no trânsito e metrô.

A boa notícia é que os meios de transporte da cidade estão funcionando com tranquilidade até agora. Para Jenkins, a redução do número de turistas tradicionais é em parte, uma espécie de efeito colateral desses alertas.

"Foram feitos tantos alertas para os moradores da cidade sobre o risco de ela ficar lotada, que muitas pessoas desistiram de visitar Londres", afirma.

Longo-Prazo

Martine Ainsworth-Wells, diretora de Marketing da London & Partners, agência governamental de promoção do turismo na cidade, confirma que, em vez de aumentar o número de visitantes, a Olimpíada provocou apenas uma mudança no perfil dos turistas em Londres - do tradicional para o "olímpico".

Ela diz, porém, que o efeito benéfico para o setor deve ser sentido no longo prazo: "Com a exposição internacional que estamos tendo com os jogos, estimamos que receberemos um adicional de um milhão de turistas em cinco anos, e que isso poderá contribuir com 1 bilhão de libras para a economia do país", calcula.

A expectativa é que a receita anual com turistas em 2012 repita o desempenho de 2011, quanto chegou a 12 bilhões de libras (R$ 38 bilhões). Segundo a London & Partners, 26 milhões de pessoas devem visitar Londres este ano.

Notícias relacionadas