Facebook admite ter 83 milhões de perfis falsos

Atualizado em  2 de agosto, 2012 - 15:15 (Brasília) 18:15 GMT
Perfil de Ahmed Ronaldo

O perfil de Ahmed Ronaldo é um dos que parecem falsos

O Facebook admitiu que mais de 83 milhões de seus perfis, ou 8,7% do total de 955 milhões, são falsos.

A maioria deles, 4,8%, são de pessoas que têm mais de uma conta; 2,4% a empresa chama de "classificados incorretamente", ou perfis criados para empresas ou entidades não humanas como, por exemplo, animais de estimação.

Finalmente, o Facebook classifica 1,5% de seus usuários como "indesejáveis", ou perfis criados para violar as regras da rede social, como o envio de spams.

A empresa vem enfrentando pressão crescente de anunciantes que questionam o valor de seu modelo de negócios, medido pela quantidade de usuários que "curtem" suas páginas.

Anunciantes desejam que o Facebook prove que os cliques vêm de pessoas reais.

"Uma maioria substancial de nosso lucro vem de anunciantes. Sua perda ou redução prejudicaria seriamente nosso negócio", disse o comunicado da rede social.

Em julho, o correspondente de tecnologia da BBC, Rory Cellan-Jones, criou um perfil para a empresa fictícia "VirtualBagel" para investigar acusações de que perfis falsos estariam "curtindo" páginas no Facebook.

A investigação indicou que a grande maioria dos cliques de usuários que curtiram a empresa vinha da Ásia ou do Oriente Médio, com muitos destes parecendo perfis falsos, como um "Ahmed Ronaldo", supostamente morador do Cairo e empregado pelo clube espanhol Real Madrid.

Acusação

Na semana passada, a empresa Limited Press, de distribuição digital, afirmou ter concluído que 80% dos cliques que sua página no Facebook recebe vêm de usuários falsos.

"Robôs estavam acessando as páginas e elevando os custos de publicidade. Contactamos o Facebook, mas não tivemos resposta", disse a empresa em um comunicado de sua página.

"Sabemos de quem são os robôs? Não. Estamos acusando o Facebook de usar robôs para aumentar os custos publicitários? Não. É estranho? Sim", finalizava.

Desde então, a empresa removeu o comunicado e disse estar analisando conjuntamente com o Facebook, o caso.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.