Londres 2012: Scheidt terá 'missão impossível' para ganhar o ouro no iatismo

Bruno Prada e Robert Scheidt (foto: AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Os iatistas Bruno Prada e Robert Scheidt precisam vencer regata e torcer contra britânicos

O iatista Robert Scheidt tem uma tarefa difícil neste domingo para se tornar o único tricampeão olímpico da história do esporte brasileiro. Ele e Bruno Prada precisam chegar em primeiro lugar na regata final da classe Star, que será disputada às 9h da manhã (horário de Brasília), e ainda torcer para que a dupla britânica Iain Percy e Andrew Simpson fique em quarto lugar.

Além disso, Scheidt e Bruno não podem ficar mais do que uma posição atrás da dupla sueca Fredrik Loof e Max Salminen.

Independente dos resultados, Scheidt já se tornou o maior medalhista da história do Brasil. O velejador não pode mais ser ultrapassado pelo quarto colocado em sua prova, e está pelo menos com a medalha de bronze garantida.

Um bronze deve colocá-lo à frente de Torben Grael no quadro de medalhas dos atletas brasileiros de todos os tempos. Apesar do fato de que ambos estarão com cinco medalhas cada, Scheidt ficará na frente porque já dois ouros e duas pratas. Torben tem dois ouros, uma prata e dois bronzes.

Tarefa difícil

Em Londres 2012, a dupla brasileira teve um desempenho regular nas dez regatas disputadas até agora. Os britânicos e os brasileiros foram os únicos que conseguiram vencer pelo menos três regatas.

No entanto, Percy e Simpson abriram uma boa vantagem em relação aos brasileiros por terem chegado quatro vezes em segundo lugar. Scheidt e Prada conseguiram o segundo lugar apenas uma vez.

Depois da última competição, os brasileiros disseram que nenhum resultado é impossível na última regata. Prada disse que "tudo pode acontecer".

Esta deve ser a última reg olímpica de Robert Scheidt pela classe Star, e sua última oportunidade de conseguir o ouro na categoria. Scheidt é bicampeão olímpico na Laser, onde possui também uma prata.

Em Pequim 2008, foi medalhista de prata na Star. A competição na olimpíada passada terminou exatamente com o quadro atual: Percy e Simpson em primeiro, Scheidt e Prada em segundo, e Loof e Ekstrom em terceiro.

A Star não será mais modalidade olímpica a partir dos Jogos do Rio 2016, apesar de ainda haver uma mobilização por parte de alguns atletas para reverter a decisão.

Scheidt tem 39 anos e já manifestou interesse de disputar pelo menos mais uma olimpíada, para poder competir diante de sua torcida. Caso a Star seja realmente abandonada dos Jogos, ele cogita concorrer na 49er, que não teve duplas brasileiras em Londres 2012.

Notícias relacionadas