Supermapa do genoma humano abre caminho para novas descobertas médicas

Atualizado em  5 de setembro, 2012 - 18:20 (Brasília) 21:20 GMT
DNA | Cr´dito da foto: BBC

Cientistas publicaram o mapa mais detalhado do genoma humano.

O mais detalhado mapa do genoma humano, publicado nesta terça-feira por uma equipe de 400 cientistas de diversas nacionalidades, abre novas perspectivas de descobertas científicas e tratamento para diversas doenças.

Uma das mais relevantes descobertas do estudo indica que 80% do código genético, antes conhecido como junk DNA (DNA lixo, em tradução livre), tem, sim, papel importante no desenvolvimento e na manutenção do corpo humano.

Até então, acreditava-se que apenas uma parcela mínima do DNA - cerca de 2% - era funcional, sendo que o restante era considerado descartável.

Essa parcela majoritária do código genético, segundo os cientistas, pode trazer dados mais específicos de diversas doenças, o que pode implicar em novos e mais efetivos tratamentos.

"Está claro que o genoma tem uma parte biologicamente ativa muito maior do que se pensava", afirmou o dr. Ewan Birney, do Instituto de Bioinformática em Cambridge, que liderou o mapeamento.

"Agora, o termo 'DNA lixo' é que precisa ir para o lixo." Os genes são pequenas seções do DNA que contém instruções sobre quais elementos - proteínas - devem produzir.

DNA | Crédito da foto: SPL

Cientistas analisaram todos os 3 bilhões de pares de código genético que compõem o DNA.

Interruptor

Os cientistas também identificaram nesse "lixo" quatro milhões de "interruptores", responsáveis por determinar quando e onde os genes são ligados ou desligados, conforme o tipo de célula.

"Isso vai nos ajudar na compreensão da biologia humana. Muitos desses interruptores que identificamos estão ligados a mudanças genéticas que podem causar desde doenças cardíacas até diabetes ou distúrbios mentais", afirma Birney.

Além dessas doenças, o estudo mostra que esses "botões" também estão ligados a diversas outras, como esclerose múltipla, lúpus, artrite reumatóide e doença celíaca.

"Essa descoberta dá aos pesquisadores um novo mundo a ser explorado e, em última instância, vai levar a novos tratamentos."

Os especialistas envolvidos no super mapeamento pertencem a 32 laboratórios espalhados por cinco países: Grã-Bretanha, Estados Unidos, Espanha, Cingapura e Japão.

O projeto - batizado de Enciclopédia de Elementos do DNA (Encode) - foi lançado em 2003 com o objetivo de identificar todos os elementos funcionais do genoma humano.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.