Brasil vive 'crescimento explosivo' de universidades privadas, diz 'Economist'

Atualizado em  14 de setembro, 2012 - 05:27 (Brasília) 08:27 GMT
Formando

Segundo revista, estudantes e investidores lucram com aumento no número de universidades

A revista The Economist desta semana traz uma reportagem sobre o que chama de "crescimento explosivo" das universidades privadas no Brasil e afirma que estudantes e investidores estão lucrando com esse cenário.

"Estudantes nas universidades públicas do Brasil ainda são mais brancos e mais ricos que a média, e é mais provável que tenham frequentado escolas particulares", diz a revista.

"Mas um crescimento explosivo em universidades particulares, com fins lucrativos, está finalmente abrindo a educação superior."

A revista cita dados de 2010, segundo os quais apenas um décimo das cerca de 2,4 mil universidades no Brasil são públicas e três quartos são privadas e com fins lucrativos.

Qualidade

"Nenhuma das instituições com fins lucrativos tem o prestígio ou os recursos das melhores universidades públicas, como a Universidade de São Paulo, estrela solitária da América Latina em rankings internacionais", diz o texto.

"Algumas são pouco mais que fábricas de diplomas de qualidade duvidosa. Mas uma qualificação em uma das líderes pode dobrar o salário de um jovem", afirma a revista, citando um especialista do Banco Mundial.

Segundo a reportagem, as universidades terão de investir em tecnologia se quiserem melhorar a qualidade, cortar custos, manter seus estudantes e atrair outros.

A revista discute ainda a aprovação do sistema de cotas nas universidades brasileiras e cita um especialista em educação da OCDE ao afirmar que "a maneira mais segura de garantir que todos os jovens tenham uma chance justa de entrar nas melhores universidades é oferecer boas escolas a todos".

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.