Mulher há 15 anos com síndrome do encarceramento sonha com recuperação

Atualizado em  17 de setembro, 2012 - 11:16 (Brasília) 14:16 GMT
Christine Waddell

Waddell diz que ainda acredita em sua recuperação

A britânica Christine Waddell vive há 15 anos em uma cadeira de rodas, sem conseguir mover-se, alimentar-se ou falar por conta própria. Mesmo assim, sua mente continua funcionando normalmente.

Waddell é uma vítima da síndrome do encarceramento - uma paralisia dos músculos do corpo em consequência de AVCs (acidentes vasculares cerebrais) ou de um trauma grave no cérebro. Pacientes como Waddell - a qual sofreu um derrame em 1997 - têm controle apenas sobre o movimento dos olhos.

Hoje, Waddell se comunica com o mundo por meio de sua cuidadora, Carol, que lê a lista de números e letras "ditos" pela paciente com seus olhos.

Ainda assim, Waddell tem fé em sua recuperação: "Acredito em mim. Tudo pode acontecer", diz ela, em entrevista à BBC.

A síndrome do encarceramento ganhou destaque recente na Grã-Bretanha com a história de Tony Nicklinson, vítima da paralisia que pedia na Justiça o direito de morrer com a assistência de médicos.

Nicklinson afirmava que sua vida havia se tornado um pesadelo desde que adquirira a síndrome do encarceramento, mas seu pedido de suicídio assistido foi recusado pela Justiça da Grã-Bretanha. O britânico acabou morrendo em agosto.

'Normal'

Waddell defende a causa de Nicklinson, mas afirma que, ao contrário dele, tem vontade de viver.

"Acho que ele estava certo quanto ao direito de terminar sua própria vida. Mas é uma questão individual, sobre como cada um se sente. Você se acostuma, então (a condição) já é normal para mim", opina a britânica.

Christine Waddell

Britânica consegue se comunicar com o movimento dos olhos

Ela diz que "sempre acreditou" que se recuperaria, sensação reforçada, há oito anos, ao sentir o movimento dos dedos do pé. "Vou me recuperar, porque eu realmente quero."

Ainda assim, não esconde o sofrimento causado pela síndrome do encarceramento.

"Antes do meu derrame, eu era uma pessoa cheia de energia. Adorava dar risada", conta. "Lembro-me como se fosse ontem do dia em que tive o derrame. Estava deitada e passei mal. O telefone estava tocando, mas não conseguia enxergar o suficiente para atendê-lo."

Risadas e Facebook

Carol, a cuidadora, explica que a comunicação com Waddell se dá por uma tabela com as letras do alfabeto. A paciente pisca a cada letra de cada linha que ela quer usar para formar uma frase.

E, apesar de não conseguir falar, Waddell consegue rir - algo que ela faz quando Carol revela à reportagem da BBC que a paciente ainda gosta de tomar dois drinques de vodca por semana.

Waddell diz também que as redes sociais são uma importante ferramenta para sua comunicação.

"Facebook e coisas do tipo melhoraram a minha vida, porque me permitem fazer contato com os meus amigos", relata.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.