Fotógrafo capta famílias e seus pertences no interior da China

Atualizado em  25 de setembro, 2012 - 06:57 (Brasília) 09:57 GMT
  • Foto: Huang Qingjun.
    O fotógrafo chinês Huang Qingjin passou quase uma década viajando às partes mais remotas da China para convencer pessoas que, muitas vezes, nunca tinham sido fotografadas a colocar todos os seus pertences do lado de fora de casa e posar para ele. Foto: Huang Qingjun.
  • Foto: Huang Qingjun.
    Os resultados oferecem um raro olhar intimista de como as famílias chinesas vivem. Muitas estão no interior do país, em áreas rurais, e mantêm hábitos simples, sem muitas das facilidades modernas encontradas nas grandes cidades chinesas. Foto: Huang Qingjun.
  • Foto: Huang Qingjun.
    Vistas mais de perto, no entanto, elas revelam as mudanças no país na última geração. Prova disso é a foto de um casal idoso de agricultores com sua antena de TV por satélite, aparelho de DVD e telefone. Foto: Huang Qingjun.
  • Foto: Huang Qingjun.
    “As vidas das pessoas mudaram enormemente. Talvez seus salários não tenham sido afetados tanto quanto nas cidades, mas sua mentalidade foi”, diz Huang, de 42 anos, que nasceu no vilarejo de Daqing e vive em Pequim. Foto: Huang Qingjun.
  • Foto: Huang Qingjun.
    A colheita de milho sinaliza uma etapa da preparação para o longo inverno e uma imagem da Praça da Paz Celestial, chamada de Tiananmen, na China, são os principais pertences dessa família pobre da província de Shanxi. Foto: Huang Qingjun.
  • Foto: Huang Qingjun.
    Uma casa recentemente reformada e uma máquina de lavar roupas revelam as transformações em um pequeno vilarejo de Guizhou. Foto: Huang Qingjun.
  • Foto: Huang Qingjun.
    Uma família de pescadores na província de Guangdong, no sul, mostra que praticamente todos os seus pertences se relacionam ao preparo de alimentos. Foto: Huang Qingjun.
  • Foto: Huang Qingjun.
    Dentro de uma moradia antiga em Pequim, o ventilador e o aquecedor dão uma pista dos extremos de temperatura enfrentados pelos milhões de moradores da capital chinesa. Foto: Huang Qingjun.
  • Foto: Huang Qingjun.
    Este casal foi fotografado em Daqing, cidade natal do fotógrafo Huang Qingjun, o lugar onde a China encontrou petróleo pela primeira vez, em 1959. O homem, um motorista, “subiu na vida” nos últimos anos e conseguiu reformar sua casa. Foto: Huang Qingjun.
  • Foto: Huang Qingjun.
    Esta foto, tirada na cidade natal de um dos escritores mais famosos da China, Lu Xun, mostra dois homens e seus móveis, que agora já são praticamente relíquias. Foto: Huang Qingjun.
  • Foto: Huang Qingjun.
    O cineasta Zhang Yuan em sua casa em Pequim. Esta é uma de várias fotos de pessoas de classe média, com um carro, livros e alguns bens de consumo. Foto: Huang Qingjun.

O fotógrafo chinês Huang Qingjin passou quase uma década viajando às partes mais remotas da China para convencer pessoas que, muitas vezes, nunca tinham sido fotografadas antes a colocar todos os seus pertences do lado de fora de casa e posar para ele.

Família chinesa | Foto: Huang Qingjun

Uma das várias famílias retratadas por Huang Qingjun; fotógrafo capturou intimidade dos chineses

Os resultados oferecem um raro olhar intimista de como as famílias chinesas vivem. Muitas estão no interior do país, em áreas rurais, e mantêm hábitos simples, sem muitas das facilidades modernas encontradas nas grandes cidades chinesas.

Vistas mais de perto, no entanto, elas também revelam a enorme mudança econômica e social que atingiu o país na última geração. Uma das fotos que atestam estas mudanças mostra um casal idoso de agricultores com sua antena de TV por satélite, aparelho de DVD e telefone.

"As vidas das pessoas mudaram enormemente. Talvez seus salários não tenham sido afetados tanto quanto nas cidades, mas sua mentalidade foi", diz Huang, de 42 anos, que nasceu no vilarejo de Daqing e vive em Pequim.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.