Mulher volta a enxergar após implante de 'telescópio' no olho

Atualizado em  4 de outubro, 2012 - 09:37 (Brasília) 12:37 GMT
Implante telescópico | Foto: UC DAVIS

Micro-telescópio do tamanho de uma ervilha foi implantado sobre a retina

Uma mulher de 89 anos com uma grave doença ocular voltará a enxergar com definição graças ao implante de um microtelescópio do tamanho de uma ervilha em seu olho esquerdo.

A operação, feita na Califórnia, nos Estados Unidos, é pioneira e pode se tornar um procedimento de rotina nos próximos anos.

Virginia Bane sofre de Degeneração Macular Relacionada à Idade (AMD, na sigla em inglês), uma das principais causas de cegueira. "Já consigo enxergar melhor. As cores são mais vibrantes, bonitas e naturais, e consigo ler letras grandes com meus óculos", diz.

Pintora de aquarela, ela também espera retomar suas atividades após quase dez anos de problemas de visão.

"Não conseguia ler durante os últimos sete anos, e estou animada para pintar novamente", acrescenta.

A causa exata da degeneração macular ainda é desconhecida, mas o problema se agrava conforme o olhos envelhecem. A mácula é composta de milhões de células fotossensíveis responsáveis pela visão central clara, nítida e detalhada.

Virginia Bane | Foto: UC DAVIS

Aos 89 anos, Virginia Bane deve voltar a ler e pintar após cirurgia pioneira

Trata-se da parte mais sensível da retina, que está localizada na parte de trás do olho humano e que transforma a luz em impulsos elétricos que são enviados ao cérebro através dos nervos óticos. O cérebro lê os impulsos e os traduz em imagens.

No caso do olho atingido pela doença, pontos centrais não são vistos com clareza.

"A degeneração macular danifica a retina e causa um ponto de cegueira no campo central de visão das pessoas. O implante telescópico restaura a visão ao projetar imagens sobre uma parte não danificada da retina, o que torna possível ver os rostos das pessoas e detalhes de objetos localizados diretamente diante delas", diz Mark Mannis, professor titular de oftalmologia e ciências da visão do Centro de Olhos do hospital da universidade americana US Davis, em Sacramento, na Califórnia.

Virginia Bane é a primeira de uma lista de 50 pessoas que se voluntariaram nos Estados Unidos para receber o implante.

"A visão de Virginia vai continuar melhorando com o tempo, conforme ela recondiciona seu cérebro para enxergar", diz Mannis.

Já o médico Richard van Buskirk explica a diferença entre os dois olhos da paciente.

"Ela basicamente usa o olho esquerdo com o implante telescópico para enxergar detalhes, tais como usar um teclado de micro-ondas ou ler um livro. Seu olho direito, sem tratamento, proporciona visão periférica, o que ajuda com a mobilidade, incluindo atividades como caminhar ou se localizar dentro de sua casa", diz.

"Eventualmente, seu cérebro alternará de forma automática, usando a capacidade de cada olho conforme for necessário", indica.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.