Palestinos descumprem boicote do Hamas ao jogo do Barcelona

Atualizado em  7 de outubro, 2012 - 22:06 (Brasília) 01:06 GMT
Fabregas, do Barcelona

Barcelona enfrenta Real Madrid em clássico do futebol espanhol

Milhares de fãs palestinos do time de futebol espanhol Barcelona desobedeceram um pedido do Hamas para não assistir ao jogo da equipe neste domingo contra o Real Madrid.

O Hamas, que governa a Faixa de Gaza, havia pedido aos cidadãos que boicotassem a transmissão depois que o Barcelona convidou o ex-soldado israelense Gilad Shalit para assisstir à partida.

Shalit foi capturado e passou cinco anos como prisioneiro de guerra do Hamas. Ele foi solto no ano passado em troca da libertação por Israel de centenas de palestinos.

Segundo o correspondente da BBC em Gaza, Jon Donnison, cafés e restaurantes ficaram lotados neste domingo de torcedores que acompanharam o empate de 2 x 2 entre o Barça e o Real Madrid.

O Barcelona com seu principal craque, o argentino Lionel Messi, é atualmente o clube de futebol mais popular na Faixa de Gaza e na Cisjordânia.

Segundo alguns analistas, além do desempenho excepcional do time, a luta por emancipação dos catalães em relação à Madri atrai a simpatia e a identificação dos palestinos.

O clube da Catalunha afirmou que apenas atendeu a uma solicitação de autoridades israelenses para que Shalit - que já deu baixa das Forças Armadas israelenses - pudesse assistir ao jogo.

Para tentar aplacar os ânimos dos integrantes do Hamas, o Barcelona tentou adotar uma solução diplomática. Convidou para assistir ao jogo o jogador de futebol palestino Mahmud Sarsak, que foi mantido em uma prisão israelense por três anos sem julgamento.

Sarsak, que foi libertado neste ano após fazer uma longa greve de fome, recusou o convite dizendo que não iria ao mesmo jogo que Shalit. A declaração dele incentivou as autoridades e ativistas palestinos a promover o boicote.

Polêmica

Segundo a agência de notícias France Presse, Shalit entrou na discussão escrevendo um artigo para um jornal Israelense. Afirmou que estava feliz "como uma criança que os pais levam a uma loja de doces" e disse que teria guarda-costas profissionais para garantir sua segurança.

Shalit foi solto em outubro do ano passado e pediu baixa das Forças Armadas. Desde então tem participado de diversos eventos esportivos.

O Barcelona publicou uma nota em sua página na internet afirmando que já recebeu uma visita em 2011 do presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas.

"O Barcelona sempre quis promover a paz e a harmonia no Oriente Médio", diz o comunicado.

O clube também deixou claro que não convidou Shalit, tendo apenas aceitado um pedido para que ele assistisse o jogo durante sua estada no país. O Barcelona disse que também aceitou pedido semelhante feito por três diplomatas palestinos.

Ataque

Menino palestino ferido em ataque (fotop: Reuters)

Menino palestino ferido em bombardio da aviação israelense na Faixa de Gaza

Neste domingo, as Forças Armadas de Israel lançaram um ataque aéreo contra a Faixa de Gaza que deixou ao menos dois mortos e diversos feridos, entre eles duas crianças.

Segundo os israelenses, o alvo do bombardeio era um integrante de pequeno grupo de militantes chamado Global Jihad, supostamente envolvido em um ataque contra Israel en Junho, Talaf Halil Jarbi. Ele perdeu as duas pernas no ataque.

As duas vítimas fatais estavam em uma motocicleta que trafegava em um bairro movimentado de Rafah, próximo à fronteira com o Sinai.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.