FMI rebaixa previsão de crescimento da economia mundial; Brasil crescerá menos

Atualizado em  8 de outubro, 2012 - 22:33 (Brasília) 01:33 GMT
Olivier Blanchard | Crédito da foto: Xinhua

Economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard, previu desaceleração da economia mundial

O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou para baixo suas projeções para o crescimento da economia mundial em 2012 e 2013, na esteira da agravamento do cenário externo e do aumento dos riscos globais. O órgão também reduziu a perspectiva de crescimento do Brasil, de 2,5% para 1,5% neste ano, em linha com a estimativa do mercado brasileiro.

A revisão do relatório World Economic Outlook foi divulgada na manhã de terça-feira em Tóquio, no Japão (noite desta segunda-feira do Brasil).

A capital japonesa sediará, ao longo desta semana, os encontros anuais do FMI e do Banco Mundial onde mais de 10 mil presidentes de Bancos Centrais, ministros de economia, executivos do setor privado e acadêmicos discutirão os rumos da economia mundial.

Em sua revisão sobre os últimos dados econômicos globais divulgados em julho passado, o FMI estimou que a economia mundial crescerá menos neste ano e em 2013, de 3,5% e 3,9% para 3,3% e 3,6%, respectivamente.

O cenário, no entanto, é mais pessimista para as economias avançadas, aponta o relatório. Segundo o Fundo, os países ricos devem crescer 1,3% neste ano, contra 1,6% em 2011 e 3% em 2010, principalmente devido ao cortes dos gastos públicos e à debilidade do sistema financeiro.

Desde o ano passado, as economias avançadas vêm adotando uma série de medidas de austeridade fiscal, incluindo corte de despesas do governo e de benefícios sociais, para combater a crise internacional.

Já as economias emergentes devem apresentar um desempenho relativamente melhor do que seus pares desenvolvidos, mas não ficarão imunes à desaceleração da economia mundial, prevê o FMI.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos países em desenvolvimento e sub-desenvolvidos deve registrar alta de 5,3% em 2012, contra 6,2% no ano passado.

De acordo com o FMI, todos os principais emergentes, como China, Índia, Rússia e Brasil, vão ter um crescimento menor neste ano.

Segundo o relatório, o crescimento no volume do comércio mundial também deve apontar uma queda, de 3,2%, contra 5,8% no ano passado e 12,6% em 2010.

"O crescimento baixo e as incertezas das economias avançadas estão afetando os mercados emergentes e as economias desenvolvidas por meio dos canais financeiros e comerciais, além do próprio enfraquecimento interno", afirmou o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard.

Segundo Blanchard, a taxa de crescimento das economias avançadas não foi suficiente para reduzir o desemprego ao passo que a pujança dos mercados emergentes também arrefeceu.

Brasil

Real | Crédito da foto: Reuters

FMI recomendou que Brasil deve elevar taxa de investimentos para reativar economia

O Brasil também foi contagiado pela deterioração da economia mundial, informou o FMI, que reduziu suas projeções para o crescimento da economia brasileira de 2,5% para 1,5% em 2012 e de 4,7% para 4,0% em 2013.

Com a redução de 1 ponto percentual na estimativa para este ano, a projeção do Fundo fica em linha com a do mercado brasileiro, que aposta em um crescimento de 1,57% para o PIB de 2012, segundo o último relatório Focus, divulgado pelo Banco Central.

Segundo o Fundo, o arrefecimento da economia brasileira foi uma das causas para o menor crescimento da América Latina no primeiro semestre deste ano. Já no segundo semestre, estima o FMI, a região deve registrar elevação de 3,25% no PIB.

No ano que vem, contudo, a entidade credita o crescimento mais forte do Brasil às medidas fiscais para incrementar a demanda a curto prazo e à trajetória descendente da taxa básica de juros, a Selic, que caiu 5 pontos percentuais desde julho de 2011.

Apesar de prever uma retomada em 2013, o FMI alertou que o Brasil deve se preocupar com a "escalada dos preços dos imóveis e das dívidas das famílias".

O Fundo lembrou que grande parte do crescimento brasileiro dos últimos anos se sustentou na expansão do consumo, com as taxas de poupança e de investimento mantendo-se a níveis baixos.

Nesse sentido, a recomendação do FMI é de que o Brasil realize reformas para reduzir seus diversos gargalos, o chamado 'Custo Brasil', que, na visão do Fundo, "restringem o crescimento" do país.

O Fundo reconheceu, por fim, que as recentes medidas para destravar a economia, como o pacote de concessão de rodovias e ferrovias anunciado recentemente, são "bem vindas", mas precisam vir acompanhadas de uma elevação da "taxa de investimento" do país, atualmente menor do que especialistas acreditam ser necessária para permitir um crescimento sustentável.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.