Patriota promete interceder por palestinos junto à Europa e à América Central

Atualizado em  15 de outubro, 2012 - 18:46 (Brasília) 21:46 GMT
Crédito: Reuters

Patriota admitiu trabalhar para que a Palestina seja admitida como Estado observador na ONU.

Ao final de sua visita a Israel e à Autoridade Nacional Palestina, chanceler Antonio Patriota disse trabalhar para que a Palestina seja admitida como Estado observador na ONU.

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, voltou declarar o empenho do Brasil para o reconhecimento da Palestina como Estado independente. Em visita a Israel e à Cisjordânia, o chanceler disse nesta segunda-feira que irá buscar apoio aos palestinos junto a países da Europa e da América Central.

No domingo (14) o ministro Patriota se encontrou, em Jerusalém, com os principais líderes de Israel e nesta segunda-feira foi a Ramallah, na Cisjordânia, onde teve reuniões com os principais líderes da Autoridade Nacional Palestina (ANP).

Em coletiva ao final da visita, Patriota afirmou que "prometi e já estou fazendo isto", em referência ao pedido do ministro das Relações Exteriores da ANP, Riyad Al Malki, para que o Brasil exerça sua influência "junto a outros países, além da América do Sul" no sentido de convencê-los a apoiar o pedido palestino, que será encaminhado à Assembleia Geral da ONU no próximo mês de Novembro.

Segundo o chanceler brasileiro, a iniciativa palestina é "pacífica, diplomática e legitima, e poderá fortalecer o elo mais fraco em negociações futuras".

Divergência

Esse não foi o único ponto de divergência entre o chanceler brasileiro e os líderes israelenses com os quais se reuniu durante a visita.

Em referência ao argumento das autoridades israelenses contra a iniciativa palestina na ONU, de que trata-se de uma "iniciativa unilateral", Patriota declarou que neste caso é um "unilateralismo pacifico".

"O Brasil se opõe ao unilateralismo coercitivo, que envolve o uso da força e contradiz a Carta da ONU", disse.

O tema que dominou a pauta das reuniões do chanceler do Brasil com os líderes israelenses foi o das medidas a serem tomadas em relação ao projeto nuclear do Irã.

Patriota rejeitou a posição de Israel de que "todas as opções devem ser mantidas sobre a mesa", inclusive a opção militar, e afirmou que "para o Brasil, só existem as opções legais".

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, comparou o Irã ao regime nazista e disse que espera que "os países do Ocidente não repitam hoje o mesmo erro que cometeram antes da Segunda Guerra Mundial, quando tentaram apaziguar os nazistas e causaram uma grande tragédia ao povo judeu".

A questão iraniana foi discutida nas reuniões de Patriota com o premiê de Israel, Binyamin Netanyahu, com o ministro de Inteligência e Energia Atômica, Dan Meridor, com o presidente Shimon Peres, além de Lieberman.

O chanceler reiterou a posição do Brasil de "manter portas abertas e canais de diálogo".

Negociação

Segundo chanceler Antonio Patriota, pleito palestino é "pacífico, diplomático e legitimo"

O principal negociador palestino, Saeb Erekat, elogiou a capacidade do Brasil de dialogar com todas as partes.

"Quantos países no mundo têm a capacidade de se encontrar em um dia com Netanyahu, Lieberman e Peres, e no dia seguinte com Mahmoud Abbas, Salam Fayyad e Riyad Al Malki?", perguntou Erekat em conversa com a BBC Brasil.

Para Erekat, o Brasil é "um país gigante, com tradição de paz e tolerância, que pode contribuir muito para reavivar o processo de paz entre israelenses e palestinos".

Ao final da coletiva, realizada no hotel American Colony, em Jerusalém Oriental, Patriota disse que encontrou um "grande interesse pelo Brasil" tanto dos israelenses como dos palestinos.

Nesta terça-feira (16), o chanceler brasileiro parte para a Jordânia, onde deverá se encontrar com o rei Abdullah.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.