Repórter de TV relata drama de ter 'metade da face em greve'

Atualizado em  30 de outubro, 2012 - 08:34 (Brasília) 10:34 GMT
O repórter John Sudworth

Repórter passou a sofrer de condição após ter sofrido lesão leve no olho esquerdo

O repórter da BBC John Sudworth passou a sofrer de paralista de Bell, uma paralisia do nervo facial que provoca incapacidade de controlar os músculos da face do lado afetado pela doença. Ele teve o lado esquerdo de seu rosto paralisado. A seguir, Sudworth descreve como é conviver com essa condição e as mudanças que ela provocou em sua vida.

Após ter passado uma vida fazendo o que eu mandava, metade do meu rosto resolveu entrar em greve.

Desde o lado esquerdo da minha testa até o lado esquerdo do meu queixo, meu rosto se amotinou.

Não consigo levantar minha sobrancelha esquerda, não consigo fechar meu olho esquerdo. E quando eu tento sorrir, enquanto o lado direito de minha boca obrigatoriamente se coloca na forma adequada, o esquerdo se nega a se mover.

A expressão resultante acaba sendo inútil para dar um alô amigável a um amigo, mas pode vir a calhar se eu decidir assaltar uma loja.

Bem-vindo ao estranho mundo de quem sofre da paralisia de Bell. A paralisia de Bell não é algo muito bom de se ter quando se é um repórter de TV.

Mas pensando bem, ela não é algo tão terrível assim de acontecer com quem precisa usar seu rosto. E pelos vários relatos que li online, vi que muitas pessoas dão continuidade às suas vidas. E eu decidi fazer isso também.

Embora reconheça que a minha doença talvez seja a notícia menos importante a sair da China no momento, escrever sobre ela neste espaço significa que existe uma explicação para qualquer um dos meus fãs mundiais (essas duas pessoas que sabem exatamente que me refiro a elas), sobre o porquê de metade do meu rosto não funcionar quando eles me veem na TV.

John Sudworth em imagem de 2006, antes de sofrer da paralisia de Bell (BBC)

John Sudworth em imagem de 2006, antes de sofrer da paralisia de Bell (BBC)

Mas seja quais forem minhas razões, esta doença peculiar e fascinante certamente merece um pouco mais de atenção - até porque, entre outras razões, muitas celebridades já foram acometidas por essa condição.

A paralisia de Bell afeta de forma desproporcional mulheres grávidas e pessoas que sofrem de diabetes, resfriados, gripes e outras doenças respiratórias. Mas cientistas não sabem o porquê de este grupo correr mais riscos.

Cerca de 1 em cada 5 mil pessoas desenvolvem paralisia de Bell. A maior parte delas têm entre 15 e 45 anos.

Na maior parte dos casos, os sintomas, que começam a se manifestar dentro de 48 horas, começam a melhorar dentro de algumas semanas. Mas por vezes demora meses para que alguém se recupere plenamente.

Tanto George Clooney como Sylvester Stallone teriam sofrido dessa condição no pasado e ambos se recuperaram. Espero que minha recuperação seja um pouco mais como a de George.

A paralisia de Bell deve esse nome a Charles Bell, o anatomista escocês do século 19 e cirurgião herói da batalha de Waterloo que descobriu a função do nervo facial.

O que é a paralisia de Bell?

O médico escocês sir Charle Bell identificou a condição, que provoca a paralisia de um lado da face, no século 19.

A paralisia de Bell afeta desproporcionalmente mulheres grávidas, pessoas com diabetes, resfriados, gripes e outras doenças respiratórias. Mas cientistas não sabem dizer o porquê de esse grupo de pessoas estar mais sujeito a riscos.

Cerca de 1 a 5 mil pessoas desenvolvem paralisia de Bell a cada ano. A maior parte delas têm entre 15 e 45 anos.

Na maior parte dos casos, os sintomas, que tendem a se manifestar em 48 horas, começam a desaparecer dentro de semanas, mas pode demorar meses para que eles desapareçam por completo.

Ele não teria usado essas palavras, mas o que sabemos hoje em dia é que se seres humanos fossem carros, então a paralisia de Bell seria o tipo de falha que levaria a um recall em massa de veículos.

O nervo facial, vindo da espinha dorsal, passa por um trecho ossudo estreito próximo ao ouvido. Em fases de baixa imunidade, um vírus dormente, de um modo geral o da catapora ou de um resfriado, pode provocar um ataque e fazer com que o nervo inche.

Por vezes isso pode ser desencadeado por um evento, no meu caso, um ferimento pequeno no olho esquerdo, mas por vezes não há causa aparente alguma para provocar a condição.

O resultado do inchaço se dá por meio de uma contração do nervo facial dentro da passagem estreita de osso, o que provoca a paralisia.

A boa notícia é que não importa o quanto o cérebro se esforce em mandar mensagens, a partir daquele momento do inchaço, o rosto se torna imóvel.

As milhares de terminações nervosas nas quais o nervo facial se divide, presentes nas bochechas e na testa e nos lábios e pálpebras e que são responsáveis por cada emoção, desde um sorriso e uma piscada até um olhar franzido, acabam sendo bloqueadas e isoladas.

A paralisia de Bell pode atingir qualquer um, de qualquer idade, gênero ou raça. E é classificada como uma doença rara, mas comum o suficiente para que 1 em cada 60 pessoas poderá vivenciar algum episódio em algum momento de sua vida. A boa notícia é que a maioria das pessoas se recupera plenamente em questão de meses.

A notícia preocupante é que uma minoria expressiva fica com sequelas permanentes, por vezes graves.

Sintomas da doença

  • Fraqueza ou paralisia em um lado do rosto fazendo com que boca tombe
  • Dificuldade em fechar as pálpebras
  • Problemas na hora de ingerir alimentos ou beber líquidos
  • Dificuldades de fala
  • Alterações ou reduções do paladar
  • Aumento da sensibilidade no ouvido afetado

De toda forma, a condição representa ao menos semanas, por vezes meses, de ter de enfrentar paralisia facial, o que pode ser complicado, ao menos socialmente.

Os blogs e escritos de outras pessoas que sofrem de paralisia de Bell mostram que, para aqueles que não se recuperam plenamente, ela pode ser uma condição devastadora e capaz de transformar uma vida.

Um pai escreve sobre sua incapacidade de voltar a aparecer novamente em uma fotografia de família.

Eu, ao menos, não me senti muito incomodado com minha condição e, além do mais, espero obviamente me recuperar.

Para aqueles que se interessarem em acompanhar notícias neurológicas pela TV, meu lento progresso ou a ausência dele, poderá ser vista na BBC dentro de alguns meses.

À esta altura, é claro que com Clooney e Stallone em seu clube, sir Charles já está acostumado a lidar com astros de verdade.

Mas agora ele pode reivindicar um lugar na BBC também e eu gostaria de achar que ele se sentiria orgulhoso de mim.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.