Manifestantes israelenses protestam em Tel Aviv contra possível guerra

Atualizado em  17 de novembro, 2012 - 19:24 (Brasília) 21:24 GMT
Manifestação em Tel Aviv contra conflito israelo-palestino (Foto: Guila Flint/BBC Brasil)

Manifestantes pediram cessar-fogo e diálogo com o Hamas

Centenas de israelenses saíram às ruas de Tel Aviv na noite deste sábado para exigir um cessar-fogo imediato na faixa de Gaza, quatro dias após o inicio da chamada Operação Coluna de Nuvem.

As tensões entre palestinos e israelenses se recrudesceram nesta semana e, apenas na última madrugada, Israel bombardeou 200 alvos em Gaza e foi atingido por cerca de 60 foguetes palestinos. Agora, a mobilização de reservistas do Exército israelense levanta temores de uma ação terrestre em Gaza e de uma guerra bilateral, semelhante à ocorrida entre 2008 e 2009.

Os manifestantes, que se reuniram em frente ao teatro Habima, no centro de Tel Aviv, gritavam palavras de ordem como "Somos contra a guerra eleitoreira", "Judeus e árabes se negam a ser inimigos", "Cessar-fogo já" e "Em Gaza e Sderot as crianças querem viver".

A professora de arte Dina Goldstein, de 33 anos, levantava um cartaz com os dizeres "olho por olho fará com que o mundo inteiro fique cego".

"Estou aqui porque a violência não vai resolver problema algum, só vai gerar mais violência", disse Goldstein à BBC Brasil. "É um absurdo pôr em risco a vida das pessoas, tanto israelenses como palestinos, só para ganhar mais votos nas eleições", afirmou, em referência às eleições previstas em Israel para o dia 22 de janeiro.

'Falar com o Hamas'

Para a professora de ciências politicas da Universidade Hebraica de Jerusalém, Galia Golan, em vez de bombardear a faixa de Gaza, Israel deve "falar com o Hamas".

"Sabemos muito bem que, enquanto houver ocupação (de territórios palestinos), haverá violência. O caminho é, antes de tudo, terminar com a ocupação", disse Golan durante a manifestação. "Não se pode parar os foguetes de Gaza com mais violência; essa guerra é totalmente inútil, a única maneira de resolver o problema é pela negociação".

Imad Azbarda

Imad Azbarda carrega cartaz dizendo ''Em Gaza e Sderot, as crianças querem viver'

O professor de língua árabe Imad Azbarda veio da cidade de Lod para participar da manifestação e disse que "é possivel negociar, o caminho não é bombardear".

O professor também vê viés eleitoral nos atuais confrontos. "Isso acontece antes de quase todas as eleições, colocando em risco a vida de inocentes para ganhar mais votos."

Ao mesmo tempo, as ruas da maior cidade de Israel estavam quase vazias, já que a maior parte da população preferiu ficar em casa, em clima de apreensão depois que grupos palestinos lançaram foguetes contra Tel Aviv pela terceira vez.

Conflito

De acordo com o governo israelense, o objetivo da operação militar em Gaza é "restaurar a tranquilidade ao sul de Israel (alvo de centenas de foguetes disparados na faixa de Gaza) e recuperar o poder de dissuasão frente ao Hamas".

O comandante da região sul do Exército, general Tal Russo, declarou neste sábado que a operação "vai continuar".

O general pediu "paciência" ao público e disse que "destruir o enorme arsenal do Hamas leva tempo".

Segundo o general, uma invasão terrestre "poderá ser necessária".

Desde o inicio da ofensiva as tropas israelenses já bombardearam mais de 900 alvos na faixa de Gaza, com a participação da Força Aérea, a Marinha e a Infantaria.

Os grupos palestinos – Hamas, Jihad Islâmico, Comitês de Resistência Popular e facções salafistas - já lançaram mais de 650 foguetes contra o território israelense. A grande maioria deles foi disparada contra cidades no sul do país, mas alguns alvejaram Tel Aviv e Jerusalém. Neste sábado, o Exército israelense disse ter conseguido interceptar um míssil palestino que atingiria Tel Aviv.

Os recentes confrontos já deixaram 46 mortos do lado palestino e 3 mortos do lado israelense.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.