Câncer reaparece e Chávez aponta vice como potencial sucessor

Atualizado em  9 de dezembro, 2012 - 08:35 (Brasília) 10:35 GMT
Hugo Chávez | Foto: Reuters

Em discurso emocionado, presidente da Venezuela se despediu e disse que pode não conseguir voltar

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, anunciou que regresará à Cuba neste domingo para realizar uma nova cirurgia para combater a reaparição do câncer e indicou seu vice-presidente, Nicolás Maduro, como sucessor do chavismo caso algo lhe aconteça e tenha que afastar-se do comando do país.

Essa é a primeira vez que Chávez admite que a gravidade de seu estado de saúde pode afastá-lo da Presidência.

Reeleito em outubro, o líder venezuelano desenhou um panorama pouco otimista, no qual incluiu a possibilidade de que ele não possar terminar o atual mandato e, inclusive, não assuma o novo mandato que começa em 10 de janeiro.

"Se, como diz a Constituição, ocorrer algo que me inabilite para continuar no comando da Presidência, seja para terminar os poucos dias restantes e, especialmente, para levar o novo período, (...) Nicolás Maduro deve concluir o período (presidencial)", disse Chávez, em cadeia nacional na noite do sábado.

Líder da "revolução bolivariana", visto como o único que garante a unidade dos diferentes grupos que apoiam o governo, Chávez pediu à população eleger a Nicolás Maduro como novo presidente caso ele não assuma o novo mandato e novas eleições tenham de ser convocadas.

"Minha opinião firme, plena como a lua cheia, irrevogável absoluta, total, é que nesse cenário que obrigaria a convocação de eleições presidenciais vocês o elejam como presidente", disse Chávez, acompanhado pelo núcleo central de seu gabinete e pelo presidente do Parlamento.

Ao ouvir a indicação de Chávez, o semblante de Maduro foi de susto e ao mesmo tempo de consternação.

Emergência e piora

A reaparição do câncer, com o qual Chávez batalha há mais de um ano, foi diagnosticada nesta semana durante novos exames realizados em Havana.

De acordo com Chávez, a equipe médica disse que ele deveria ser operado de emergência ainda neste final de semana. Porém, ele insistiu em retornar à Venezuela para comunicar à população sobre seu estado de saúde.

"Lamentavelmente, nessa revisão exaustiva surge a presença de células malignas na mesma área afetada", disse, ao afirmar que nesta ocasião a cirurgia é "absolutamente imprescindível".

Há poucos meses, durante a campanha eleitoral, Chávez chegou a afirmar que estava curado. No entanto, sua ausência pública logo após a reeleição chamou a atenção sobre uma possível piora em seu estado de saúde.

Hugo Chávez | Foto: BBC

Chávez apontou vice-epresidente, Nicololás Maduro, como potencial sucessor ao chavismo no país

Chávez disse que realizou exames médicos antes de se candidatar à reeleição e que os resultados foram favoráveis. "Se tivesse surgido algum resultado negativo, tenham certeza que eu não teria inscrito e assumido a candidatura presidencial", afirmou.

O anúncio gera uma reviravolta política no país. Essa será a quarta cirurgia que Chávez realiza para estirpar a doença e a segunda neste ano.

"É um dia triste para nós(…) é mais uma lição", disse o presidente da Assembléia Nacional Diosdado Cabello em entrevista ao canal estatal. "Tenho esperança e fé de que ele vai sair dessa situação", afirmou.

O Parlamento realizará uma sessão extraordinária neste domingo para autorizar a viagem do presidente à Havana.

Unidade

Chávez disse que o vice-presidente "é um dos líderes jovens de maior capacidade para continuar [seu governo)" e "com sua mão firme, com seu olhar, com seu coração de homem do povo".

Chanceler durante pouco mais de seis anos, Maduro assumiu a vice-presidência logo depois da reeleição de Chávez, substituindo Elias Jaua, atual candidato a governador do populoso e rico Estado de Miranda.

Na Venezuela, o vice é designado diretamente pelo presidente.

A ascensão de Maduro, projetado como o "homem forte" do governo, foi vista como um claro sinal de que ele seria o possível "herdeiro" do legado chavista, caso o estado de saúde de Chávez piorasse.

Analistas consideram que Maduro reúne poder político inclusive entre os militares, aval imprenscindível para governar o país.

O ex-chanceler, que foi motorista de ônibus e sindicalista, se aproximou de Chávez em 1992, quando ele e sua esposa, a advogada Cília Flores, atuavam pela libertação do então tenente-coronel que foi preso depois de fracassada uma intentona golpista contra o governo de Carlos Andrés Perez.

Na mensagem emocionada ao país, num tom de testamento, Chávez pediu unidade a seu governo, a militares, civis e à população em geral. Ele afirmou que "em qualquer circunstância" a "revolução" e a "via venezuelana ao socialismo" devem seguir.

"Me dá muita dor na verdade que esta situação cause dor, cause angústia a milhões de vocês", disse. "Felizmente, esta revolução não depende de um homem".

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.