Desaceleração na Argentina reduz exportações brasileiras em 20%

Atualizado em  4 de janeiro, 2013 - 06:58 (Brasília) 08:58 GMT
Dilma Rousseff (à esq) e Cristina Kirchner em encontro do Mercosul (foto: Reuters)

Dilma Rousseff (à esq.) e Cristina Kirchner; crise no comércio bilateral

A desaceleração da economia na Argentina fez as exportações brasileiras ao país caírem 20,7% em 2012, segundo consultorias econômicas de Buenos Aires. Os setores mais afetados foram os de autopeças, máquinas agrícolas e eletrônicos, entre outros.

Em 2012, quando a economia argentina cresceu menos de 2%, Buenos Aires importou US$ 18 bilhões em mercadorias do Brasil. O ano anterior, o montante havia sido de US$ 22,7 bilhões, segundo o economista argentino Maurício Claveri, da consultoria Abeceb.

"A partir de abril (de 2012) passou a ocorrer esta demanda menor argentina. Desde então, surgiu uma mistura de efeitos no fluxo do comércio do Brasil para a Argentina, que incluiu esta menor demanda, provocada pelo menor crescimento do país, e os reflexos das barreiras comerciais (impostas pelo governo argentino)", afirmou Claveri.

No mesmo período, o Brasil importou US$ 16,4 bilhões em produtos argentinos - uma queda de 2,7% em relação ao ano anterior.

A queda na importação de produtos brasileiros fez o deficit comercial da Argentina com o Brasil diminuir em 2012 para US$ 1,5 bilhão – o que significa uma redução de 73%.

O comércio entre os dois países caiu de US$ 39,6 bilhões em 2011 para US$ 34,4 bilhões no ano passado.

Para o economista Matías Carugati, da consultoria Management & Fit, "o maior crescimento argentino sempre resultou em maior importação". "O menor crescimento argentino significa consequências negativas para a economia brasileira."

Ele lembrou que a Argentina é o terceiro sócio comercial do Brasil - depois da China e dos Estados Unidos - e "cada ponto a menos de crescimento argentino significa muitos milhões de dólares a menos no comércio exterior".

O economista afirmou ainda que as barreiras comerciais aplicadas pelo governo da presidente Cristina Kirchner afetaram "mais o Brasil do que outros países" e contribuíram para reduzir as exportações brasileiras para o mercado vizinho.

Ouvidos pela BBC Brasil, Claverí e Carugati disseram que o Brasil acumula três meses de déficit na balança comercial com a Argentina, mas esse quadro pode começar a mudar a partir de março ou abril deste ano.

"A expectativa é que o crescimento econômico argentino fique entre 3% e 5% em 2013. Com isso, as importações devem aumentar, mas o efeito positivo nas importações de produtos brasileiros dependerá de se a Argentina continuará discriminando ou não o país vizinho com as barreiras comerciais", disse Carugati.

'Dependência do Brasil'

Da mesma forma que a desaceleração da economia argentina prejudica o Brasil, o temor sobre um baixo crescimento brasileiro também preocupa Buenos Aires. Segundo o jornal La Nación, economistas argentinos temem que o menor crescimento da economia brasileira em 2013 prejudique o resultado da economia argentina.

"O desempenho do país vizinho determinará, em grande parte, o resultado da economia nacional em 2013", publicou o periódico. Para o jornal, a Argentina tem "dependência" do Brasil.

"Uma recuperação modesta da economia brasileira (em 2013) afetaria as exportações argentinas e a atividade econômica do país", afirmou. A consultoria Ecolatina, de Buenos Aires, citou um estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI) no qual "por cada ponto percentual de queda do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, o crescimento da Argentina seria afetado em até 0,25%".

'Desafios próprios'

Mas analistas argentinos afirmam que a Argentina terá pela frente "desafios próprios", independentes da saúde da economia brasileira. Um deles é a inflação, estimada em cerca de 10%, pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (INDEC) e em 25% por consultorias privadas.

Há ainda questões como a brusca queda na venda de imóveis, que em novembro registrou retração de 43,5% na comparação com o mesmo mês de 2011. Neste caso, os especialistas atribuem o fato ao controle cambial, que teria tido influência sobre as operações realizadas tradicionalmente em dólares e não na moeda local, o peso.

Outros efeitos de medidas locais teriam sido a redução no número de argentinos que viajaram para as tradicionais férias de verão ou que diminuíram a quantidade de dias de descanso nesta temporada, seja pela inflação ou pelo controle cambial - que limita a compra de moedas estrangeiras, entre elas o real, e provoca altas no preço da moeda brasileira no mercado paralelo.

Nesta quinta-feira, o real era cotado a cerca de 2,4 pesos no oficial e no paralelo a cerca de 2,6 pesos, em Buenos Aires. Mas, segundo reportagem do jornal Clarin, os argentinos pagaram cotação de até 3,4 na região de fronteira para passar férias nas praias do sul do Brasil.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.