Energia e PIB pressionam Dilma em ano crucial para o Brasil

Atualizado em  14 de janeiro, 2013 - 06:26 (Brasília) 08:26 GMT
Dilma, em foto de 4 de dezembro (Reuters)

Com aprovação recorde, governo Dilma tem crescimento econômico abaixo das expectativas

Em um de seus últimos compromissos oficiais de 2012, a presidente Dilma Rousseff deixou de lado sua postura séria por um instante para fazer a bola rolar com um animado chute inaugural no campo do Castelão, em Fortaleza.

A abertura dos dois primeiros estádios da Copa de 2014, em dezembro, na cidade nordestina e em Belo Horizonte, foi um ponto alto na agenda da presidente antes de suas férias na Bahia.

Em 2013, o Brasil começa a ter que mostrar ao mundo sua capacidade de sediar os megaeventos esportivos enfileirados até 2016, com a Copa das Confederações, em junho.

Mas dores de cabeça com o ano que começa tiraram o sossego da presidente, que voltou de férias na última terça-feira e terá uma semana cheia pela frente.

Dilma inicia a segunda metade de seu mandato com dois grandes desafios: retomar o crescimento econômico e evitar uma crise no setor energético que, para analistas, poderia arranhar sua imagem de boa gerente.

Embora o governo Dilma tenha registrado uma aprovação recorde para um presidente em seus dois anos de mandato – sendo considerada "boa ou excelente" por 62% da população" – o crescimento do país em 2012 ficou bem abaixo da expectativa do próprio governo e de investidores.

Efeito 'devastador'

Com uma expansão do PIB de apenas 1% no ano passado, o Brasil teve a pior performance entre os países do Bric, ficando atrás da Rússia, da Índia e da China – e esfriando o clima de euforia gerado por um crescimento de 7,5% dois anos atrás.

Analistas dizem que 2013 será um ano crucial para o Brasil e para o governo.

Hidrelétrica no Paraná; questão energética é um dos principais desafios da segunda metade do mandato

"Um novo 'pibinho" será devastador para Dilma e para a imagem do país", diz o historiador José Murilo de Carvalho, professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

"Mais uma vez se frustrará o sonho de grande potência, que persegue os brasileiros desde a Independência."

"Se a econômica não se recuperar em 2013, isso pode afetar sua popularidade (de Dilma) e aprovação", diz David Fleischer, professor emérito da Universidade de Brasília (UnB).

A metade do mandato da presidente coincide com os dez anos da chegada do PT ao poder, com a posse de Luiz Inácio Lula da Silva em 2003.

Durante a década, a expansão de programas de transferência de renda contribuiu para reduzir uma parcela da extrema desigualdade do país.

Para José Murilo de Carvalho, este é um dos fatores para a alta popularidade da presidente, mas ele diz acreditar que Dilma também esteja ganhando apoio da classe média que se expande no país, com cidadãos mais atentos a seus interesses como contribuintes.

"Essas pessoas são mais preocupadas com o bom governo no sentido de governo eficiente, honesto e transparente, promessa de Dilma. Mas para manter a popularidade ela terá que realizar a promessa de crescimento, sem abrir mão da disciplina monetária", diz.

Dilma compensou pela falta do carisma e do talento para discursos do ex-presidente Lula desenvolvendo a imagem de uma "gerentona", séria e eficaz.

A ameaça de crise no setor elétrico, porém – com os reservatórios do país em níveis tão ou mais baixos que na época do racionamento elétrico, em 2001 – atinge o calcanhar de Aquiles de Dilma, ex-ministra de Minas e Energia no governo Lula.

A presidente vem buscando assegurar que não há risco de apagão nem necessidade de racionamento, mas tem realizado reuniões emergenciais sobre o assunto com sua equipe.

Sorte ou azar

Presidente na inauguração do Castelão; país começa preparativos para megaeventos

Carvalho afirma que, "com um pouco de sorte", Dilma conseguirá sair bem da crise, mas será forçada a cancelar a redução nas tarifas elétricas que prometeu no ano passado ou a usar recursos públicos para cobrir o rombo. "Será um desgaste, embora administrável."

"Se não tiver sorte, se ocorrer um apagão, sua imagem de boa gerente será inevitavelmente afetada", diz o historiador.

"Ela transformou o apagão de 2001 em cavalo de batalha contra o governo anterior. Tendo sido responsável pelo setor elétrico desde o primeiro governo Lula, nada a irrita mais que a sugestão da repetição do fenômeno em seu governo."

Na hipótese de a crise no setor elétrico se concretizar, diz Carvalho, a oposição terá uma arma poderosa durante a campanha de 2014. "Não só a oposição ganhará forte argumento, como saudosistas de Lula dentro do PT também poderão pressionar por uma volta do ex-presidente."

Há dez anos longe do poder, o PSDB já está se articulando para as próximas eleições, com o nome do senador Aécio Neves projetado como provável candidato. O partido pretende desconstruir a imagem de "boa gerente" de Dilma.

Crise externa x entraves internos

O governo atribui a desaceleração na economia ao cenário mais amplo de crise no exterior, que continua a atingir os Estados Unidos e a Europa.

Mas analistas dizem que os problemas também são internos.

"A situação internacional deteriorou e isso expõe os nossos gargalos", diz o cientista político Fernando Lattman-Weltman, da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

"Há uma tendência natural a se voltar para o mercado interno, mas o setor produtivo e de serviços não consegue responder a essa demanda porque enfrenta problemas de infraestrutura, qualificação de mão de obra e um problema tributário muito sério."

O governo parece estar tentando atacar esses problemas, diz Luciano Rostagno, estrategista-chefe do WestLB Bank. "Mas a melhora nesses aspectos só vai acontecer no médio prazo."

Rostagno prevê um crescimento de 3,5% para este ano, enquanto a estimativa de governo, que se mostrou demasiado otimista em 2012, é de 4%.

Avanços com o mensalão

O PIB não deve ser a única medida de sucesso do país, ressalta o cientista político Eduardo Raposo, da PUC-Rio.

Ele aponta para o julgamento do mensalão como o maior exemplo de que o país está atravessando "um bom momento", marcado pelo fortalecimento de suas instituições.

"Estamos vivendo o maior tempo de democracia que já tivemos em nossa República, desde o fim da ditadura (em 1985). Isso traz uma estabilidade institucional que nunca vimos antes", diz.

Para o ano pela frente, porém, o sucesso do governo Dilma parece depender sobretudo de seu desempenho econômico.

Antes do Natal, ela afirmou que 2013 seria o ano de "colher os frutos" das medidas tomadas em 2012 – como o lançamento de uma série de pacotes para estimular investimentos em infraestrutura e a redução das taxas de juros.

Dilma disse a repórteres desejar um "PIBão grandão" para este ano, o último antes que o país mergulhe em mais uma campanha presidencial.

A presidente pode torcer também por um empurrão esportivo. Presidir o país durante uma eventual uma vitória do Brasil na Copa do Mundo e das Confederações em casa certamente não lhe fará mal.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.