Com real mais fraco, SP e Rio caem em ranking de cidades mais caras

Atualizado em  5 de fevereiro, 2013 - 06:59 (Brasília) 08:59 GMT
São Paulo (AP)

São Paulo caiu 15 postos no ranking, para o 43º das cidades mais caras

Com a desvalorização do real em comparação ao dólar, Rio de Janeiro e São Paulo despencaram no ranking de 131 cidades mais caras do mundo, compilado pela Economist Intelligence Unit (EIU).

Segundo o Worldwide Cost of Living Survey 2013, Tóquio é a cidade de maior custo de vida, seguida por Osaka (também no Japão) e Sydney (Austrália). São Paulo ficou em 43º lugar (15 postos abaixo da colocação na pesquisa anterior); e o Rio, em 61º 23 postos abaixo da pesquisa anterior).

Isso não quer dizer, porém, que as cidades brasileiras ficaram mais baratas para seus moradores - apenas estão mais baratas no comparativo com outras cidades globais.

"A inflação brasileira não está baixa, e o custo de vida cresceu. Há pouco tempo atrás, São Paulo e Rio chegaram a ficar (comparativamente) mais caras que Nova York, mas nos últimos 12 meses a desvalorização do real diminuiu isso", diz à BBC Brasil Jon Copestake, editor sênior da pesquisa.

Ele não descarta, entretanto, que esses custos comparativos voltem a aumentar à medida que se aproximam a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.

Ásia-Pacífico

O levantamento da EIU pesquisa preços de 160 produtos e serviços em grandes cidades ao redor do mundo e traça um comparativo entre essas metrópoles, usando Nova York como a cidade-base.

A líder do ranking, Tóquio, "tem sido a cidade mais cara do mundo quase todos os anos das últimas duas décadas", diz o relatório. Mas outras cidades da região Ásia-Pacífico têm subido no ranking, "ofuscando destinos europeus tradicionalmente caros".

As cidades mais caras do mundo, segundo a EIU

Tóquio

1. Tóquio (Japão)

2. Osaka (Japão)

3. Sydney (Austrália)

4. Oslo (Noruega)

5. Melbourne (Austrália)

6. Cingapura

7. Zurique (Suíça)

8. Paris (França)

9. Caracas (Venezuela)

10. Genebra (Suíça)

43. São Paulo

61. Rio de Janeiro

"As cidades asiáticas ocupam 11 postos entre as 20 cidades mais caras do mundo; as cidades europeias ocupam 8", aponta a pesquisa.

A pesquisa faz referência, por exemplo, à Austrália. Dez anos atrás, nenhuma cidade do país figurava entre as 50 mais caras do mundo. No ranking mais recente, porém, Sydney e Melbourne são, respectivamente, a 3ª e a 5ª cidades mais caras da lista, por conta de uma combinação de crescimento econômico, elevação dos preços e alterações cambiais.

Copestake ressalta também que as grandes cidades chinesas, apesar de não estarem entre as mais caras, estão subindo no ranking porque aumentos salariais acabam puxando outros custos para cima.

A lista das dez metrópoles mais caras inclui também Cingapura, cidades europeias como Paris, Oslo, Zurique e Genebra e uma latino-americana: Caracas. A presença da capital venezuelana na lista se deve, segundo a EIU, à inflação (estimada em quase 20%) e à fixação da taxa oficial de câmbio do bolívar a um patamar alto em relação ao dólar.

Nos EUA, cidades como Los Angeles, Nova York (ambas em 27º lugar) e Chicago (38ª) também subiram no ranking, por conta do fortalecimento do dólar e de aumentos de preços em itens como roupas e mantimentos.

Cidades mais baratas

A EIU também lista as cidades mais baratas do mundo, em sua maioria concentradas no sul da Ásia: Karachi (Paquistão), Mumbai, Nova Déli (Índia), Katmandu (Nepal) e Colombo (Sri Lanka).

A compilação das mais baratas inclui também cidades do Oriente Médio (Jidda, na Arábia Saudita, e Teerã, no Irã), na África (Argel, na Argélia), na Europa (Bucareste, na Romênia) e América Latina (Cidade do Panamá).

Segundo Copestake, o sul da Ásia concentra cidades baratas porque, ao contrário da China, não vivencia um momento de elevação dos salários, o que segura os preços.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.