Policiais que arrastaram homem até a morte são presos na África do Sul

Atualizado em  1 de março, 2013 - 14:57 (Brasília) 17:57 GMT
Macia preso ao carro policial (AFP)

Imagens de moçambicano sendo preso e arrastado pelo carro policial foram feitas de um celular

Foram presos nesta sexta-feira os policiais sul-africanos implicados na morte de um taxista moçambicano que foi algemado a uma van da polícia e arrastado pelas ruas de Johanesburgo.

O episódio foi gravado pelo celular de um observador e divulgado pela imprensa sul-africana, causando comoção no país e no mundo.

O taxista moçambicano Mido Macia, 27, morreu na delegacia, por conta dos ferimentos na cabeça e de hemorragia interna, segundo indicam resultados preliminares da autópsia.

Acredita-se que sua detenção - e punição - tenha sido causada por estacionar seu táxi de forma a bloquear uma via movimentada de Daveyton, no leste de Johanesburgo.

O vídeo mostra homens uniformizados amarrando Macia à van policial e arrastando-o com o carro em movimento, diante de uma multidão de passantes.

'Inaceitável'

Homem é arrastado por carro da polícia na África do Sul

Taxista, natural de Moçambique, chegou a ser detido após incidente, mas morreu na delegacia.

Assistirmp4

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

O comissário de polícia Riah Phiyega agradeceu a população por revelar um "comportamento insensível e inaceitável" e anunciou que oito policiais suspeitos de participação no episódio foram suspensos. O comandante da delegacia onde eles trabalham foi removido de seu posto.

Pouco depois, a polícia informou que os oito suspeitos também foram detidos e comparecerão perante a Justiça sul-africana na segunda-feira.

Um comunicado da polícia diz que o vídeo deixa claro que "os direitos de Mido Macia foram violados da forma mais extrema" e que o "comportamento mostrado deve ser reprimido, quando cometido por uma polícia cujo papel é servir e proteger".

A corporação disse que vai apoiar uma investigação independente do caso.

O presidente sul-africano, Jacob Zuma, qualificou o ocorrido de "horrível" e "inaceitável".

A oposição, por sua vez, pediu que se combatam "as causas da brutalidade policial, e não apenas os sintomas".

Nesta sexta, um pequeno grupo de manifestantes se reuniu diante da delegacia de polícia onde Macia morreu para protestar contra a violência policial. Uma das manifestantes disse à BBC que a polícia está perdendo a confiança da comunidade.

A polícia sul-africana já estava sob críticas por conta da morte a tiros de 34 mineiros grevistas, em agosto de 2012.

Outro golpe à credibilidade da corporação aconteceu quando o principal detetive do caso Oscar Pistorius é, ele próprio, acusado de tentativa de assassinato.

O presidente da associação de taxistas locais, Justin Ndlovu, disse à BBC que Macia tinha um filho na África do Sul e cuidava da mulher e dos três filhos de seu irmão, morto no ano passado.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.