Marta Suplicy se diz 'indignada' com eleição de Feliciano para CDHM

A ministra da Cultura Marta Suplicy disse ter ficado "indignada" com a eleição do pastor Marco Antônio Feliciano (PSC - SP) para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara (CDHM), na semana passada.

Em uma conferência sobre soft power no Centro Brasileiro Britânico em São Paulo, a ministra falou em "retrocesso" que seria provocado pela eleição do deputado, que causou polêmica com comentários sobre a população negra e sobre os homossexuais no Twitter.

"Fiquei indignada porque nós caminhamos para um retrocesso muito grande nos direitos humanos quando uma pessoa com esse histórico de falas contra os direitos humanos é eleita para presidir uma comissão desse nível de importância para a Câmara e para o Brasil", afirmou.

Em sua conta de Twitter, em 2011, o pastor chegou a dizer que "a podridão dos sentimentos dos homoafetivos levam ao ódio, ao crime, à rejeição" e que "africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé".

Classificado como "racista" e "homofóbico" por movimentos sociais, o pastor afirmou ter sido mal interpretado e fala em perseguição e preconceito por ser pastor evangélico.

Em entrevista essa semana, o deputado disse que "não se pode medir um homem com 140 caracteres de Twitter" e afirmou que "nunca praticou violência contra quem quer que seja".

'Mancha para o Congresso'

"É uma mancha para o Congresso a eleição de alguém com esse perfil para essa posição", disse a ministra da Cultura, conhecida pela defesa dos direitos LGBT.

"Quanto mais ele se explica, mais agride às comunidades, mostrando o quão distante ele está da compreensão do que é presidir uma comissão dessa importância."

Na segunda-feira, uma carta aberta assinada por lideranças evangélicas pediu a escolha de um novo parlamentar que possa presidir "a CDHM com a isenção esperada".

A carta é assinada por líderes religiosos de igrejas como a Presbiteriana, a Batista e a Assembleia de Deus, da qual Marco Feliciano faz parte.

O pastor foi eleito por 11 votos na CDHM, um a mais do que o necessário para ser eleito. A comissão é formada por 18 parlamentares, mas somente 12 estavam presentes na votação. Momentos antes, deputados do PT e do PSOL deixarão a sessão em protesto.

O partido de Feliciano conseguiu maior representatividade na CDHM depois que deputados do PMDB, do PSDB e do PP cederam cinco vagas no grupo a parlamentares do PSC. De acordo com a Agência Brasil, parlamentares ligados à defesa dos direitos humanos buscam meios de anular a eleição.

Segundo a deputada Erika Kokay (PT-DF), a concessão de vagas deixou o PMDB, o PSDB e o PP sem representação, o que "fere o princípio da proporcionalidade e a vontade do povo ao eleger seus representantes".

No último fim de semana, manifestantes realizaram protestos em diversas capitais do país em protesto contra a eleição de Feliciano.

Notícias relacionadas