Panfletos com cheiro de maconha são ‘arma’ contra plantações na Grã-Bretanha

  • 19 março 2013
Panfleto
Image caption O panfleto é como um bilhete de raspadinha que libera odor de maconha

Uma organização da Grã-Bretanha está distribuindo panfletos que, ao ser raspados, liberam um odor de maconha, a fim de permitir que pessoas possam identificar o cheiro de possíveis plantações ilegais em suas vizinhanças.

A entidade Crimestoppers, que milita pela redução da criminalidade no país e que criou a campanha, disse esperar que as pessoas sejam capazes de reconhecer o cheiro da maconha e que possam delatar possíveis plantações suspeitas para a polícia.

Os cartões verdes e negros, com o desenho de uma folha de maconha, liberam ao serem raspados um cheiro similar ao da maconha quando ela está em sua fase de cultivo.

O cartão lista também possíveis características de locais em que há cultivos de maconha, como ''um cheiro forte, enjoativo e adocicado'', ''janelas fechadas e cobertas constantemente'', ''elevados níveis de umidade e condensação'' e ''barulho constante de ventilação''.

'Crime organizado'

Roger Critchell, diretor de operações da Crimestoppers, afirmou que a ideia de distribuir os panfletos se deu ''porque muitas pessoas não são capazes de reconhecer os sinais do cultivo de maconha que acontecem em suas próprias vizinhanças''.

"Muitas pessoas não estão familiarizadas com as conexões entre esse tipo de crime e o crime organizado'', acrescentou Critchell.

De acordo com a ONG, houve um aumento de 15% no número de plantações domésticas de maconha na Grã-Bretanha entre 2011 e 2012.

A área do país em que o maior número de cultivos domésticos foram encontrados foi no condado de West Yorkshire (norte da Inglaterra), onde 1,6 mil plantações foram achadas de 2010 a 2012.

Em Londres, no mesmo período, foram encontrados 1,2 mil locais em que o cultivo doméstico era praticado.

A iniciativa britânica se inspirou em um projeto parecido, realizado há três anos, na Holanda, onde 30 mil panfletos foram distribuídos em regiões residenciais.

Notícias relacionadas