Corea do Norte entra em 'estado de guerra' contra Seul

  • 29 março 2013
Militares e estudantes em manifestação de apoio a Kim Jong-un (foto: AP)
Image caption Declaração de guerra ocorre em meio a escalada de ameaças na península coreana

A Corea do Norte afirmou estar entrando em "estado de guerra" contra a Corea do Sul. A declaração ocorre em meio a uma escalada de retórica contra o vizinho do sul e os Estados Unidos.

Em um comunicado divulgado pela agência estatal, Pyongyang prometeu "severas ações físicas" contra "qualquer ato de provocação".

A Corea do Norte vem ameaçando seus adversários com ataques quase diariamente, mas analistas não descartam o risco de guerra.

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest afirmou que a retórica apenas aprofunda o isolamento da Corea do Norte.

Os Estados Unidos condenaram a "retórica belicosa" dos norte-coreanos. A Rússia advertiu que a troca de ameaças pode criar um "círculo vicioso".

As Coreas do Sul e do Norte estão tecnicamente em guerra desde 1953 - quando a guerra acabou sem a assinatura de um armistício.

A tensão na península coreana aumentou desde que Pyongyang realizou seu terceiro teste nuclear, em 12 de fevereiro - que resultou na imposição ao país de novas sanções internacionais.

Uma declaração divulgada pelo governo da Corea do Norte neste sábado (noite de sexta-feira no Brasil) afirmou: "Daqui para frente, as relações norte-sul entrarão em um estado de guerra e todos os assuntos levantados entre o Norte e o Sul serão lidados conforme (essa situação)".

"A duradoura situação da península da Corea de não estar nem em paz nem em guerra finalmente acabou ".

Entre as ameaças recentes de Pyongyang estava um "ataque nuclear preventivo" contra os Estados Unidos.

Manobras americanas

Na quinta-feira, a mídia da Corea do Norte afirmou que o líder kim Jong-un "decidiu que é hora de acertar as contas com os imperialistas dos Estados Unidos".

Ele condenou o sobrevoou de aviões bombardeiros B-2 americanos - com capacidade de transportar armas nucleares - sobre a Corea do Sul. Disse que os EUA pretenderiam iniciar uma guerra nuclear na península.

Pyongyang nomeou bases americanas no Havaí, Guam e Corea do Sul como seus alvos potenciais.

A mídia da Corea do Norte exibiu imagens de milhares de militares e estudantes em uma manifestação de apoio às declarações de Jong-un.

Os EUA já haviam enviado aviões B-52 à Corea do Sul no início do mês como uma resposta às ameaças de Pyongyang.

Representantes da China e da Rússia fizeram um apelo pelo alívio das tensões na região.

Notícias relacionadas