Como se calcula a data da Páscoa?

Páscoa na Coreia do Sul. Reuters
Image caption Determinar a data da Páscoa foi motivo de controvérsia em vários momentos da história

Quando os ovos de chocolate vão finalmente chegar ao supermercado à espera da Páscoa?

Diferente do Natal e outras festas religiosas, a Páscoa muda a cada ano, entre 22 de março e 25 de abril. E a escolha dos dias foi definida após muita controvérsia.

A Páscoa cristã tem relação com Páscoa judaica (o Pesach).

Segundo a tradição cristã, a festa marca o dia da ressurreição de Cristo, em um domingo.

Para a tradição judaica, marca a fuga dos judeus do Egito, liderados por Moisés.

Mas por que elas não são celebradas do mesmo dia?

Raízes judaicas

Lutz Doering, professor da Universidade de Durham, na Grã-Bretanha, diz que há registros de que até o século 2 muitos cristãos celebravam a festa no dia 14 de Nisan do calendário judaico, mesma data do Pesach.

Doering explica que alguns grupos passaram a celebrar a Páscoa no domingo após o Pesach, “porque viam a data como independente, uma nova celebração ligada exclusivamente à ressurreição de Jesus”.

Convencionou-se então que a Páscoa seria celebrada no domingo após a primeira lua cheia da primavera, guiando-se pela data do equinócio.

O debate sobre a mudança foi documento por Eusébio, historiador romando e bispo de Cesareia, que narra os encontros entre diferentes grupos que queiram fazer prevalecer sua posição.

Ao fim, cada um continuou a celebrar na data que considerava correta, até o Primeiro Concílio de Niceia, em 325 d.C..

O concílio convocado pelo imperador Constantino foi uma tentativa de unificar as normas e a tradição cristã, que havia sido feita religião oficial do Império Romano em 312 d.C..

O concílio decidiu que todos os cristãos deveriam celebrar a Páscoa na mesma data e que esta seria separada do Pesach.

Festa móvel

Um problema em separar a Páscoa do Pesach foi como calcular a data da festa com antecedência, já que a astronomia romana não era tão desenvolvida e a festa estava relacionada ao ciclo lunar.

O astrônomo Robert Cockcroft, da Universidade McMaster, no Canadá, explica que o problema foi resolvido ao se ficar “datas eclesiásticas”, diferentes das datas astronômicas.

Fixou-se a Páscoa no primeiro domingo após a primeira lua cheia “eclesiástica” após o equinócio da primavera.

As datas “eclesiásticas” tendem a seguir o tempo lunar, mas excepcionalmente o Pesach e a Páscoa acabam sendo celebrados com uma distância maior.

“Se a lua cheia ocorrer durante o equinócio, os cálculos eclesiásticos tente a forçar a próxima lua cheia para determinar a data da Páscoa”, diz.

Julio e Gregório

A confusão para determinar a Páscoa ainda não ainda chegado ao fim.

Até 1582, usava-se na Europa o calendário juliano (em honra a Júlio César), baseado no ano solar.

“Contudo, o calendário juliano superestimava o ano solar em três dias, por quatro séculos”, conta.

A contagem equivocada fez a Páscoa ser celebrada no verão europeu no século 16.

Em 1582, o papa Gregório 18 resolveu corrigir o erro e estabeleceu um novo calendário, o gregoriano, em uso até hoje.

Os dias do ano foram limitados a 365 (366 nos anos bissextos) e foram “extintos” dez dias na contagem.

Quem dormiu na noite do dia 4 de outubro de 1582 acordou na manha do dia 15 de outubro, oficialmente.

O calendário, no entanto, não foi seguido por todos. Cristãos ortodoxos continuaram a usar o calendário juliano.

Com tanta mudança, a Páscoa é hoje celebrada em datas diferentes por judeus, católicos e cristãos ortodoxos.