Cidade mineira terá réplica de teatro de Shakespeare em 2016

Maquete do Shakespere Globe que será construída no interior de Minas Gerais
Image caption A réplica do Shakespeare Globe mineira terá 1,5 mil lugares e será inaugurada em 2016

Em 2016, festivais mundo afora lembrarão os 400 anos da morte de William Shakespeare. No Brasil, a celebração promete ser bem ambiciosa, com a inauguração da primeira réplica oficial fora da Inglaterra do famoso teatro Shakespeare Globe de Londres.

O teatro será construído na cidade mineira de Rio Acima, a 30 quilômetros de Belo Horizonte, e custará R$ 43 milhões.

Fora a construção do teatro em si, com sua característica forma circular e 1,5 mil lugares, o projeto envolve ainda a criação de uma escola de dramaturgia, festivais teatrais itinerantes, uma filial no Rio e ações de intercâmbio entre o Globe brasileiro e o original, além de outras iniciativas.

E a maioria delas saiu da mente do ator e produtor Mauro Maya, um ex-torneiro mecânico que há 15 anos, quando era funcionário da Vale, se "viciou" em Shakespeare, como ele mesmo diz.

"Foram quatro anos de negociação com o pessoal do Shakespeare Globe. Eu cheguei lá com meu inglês totalmente vira-lata", conta Maya à BBC Brasil. "Mas fui mostrando que o Brasil não era só samba e futebol. Fui mostrando minha paixão por Shakespeare e, assim, fui ganhando os caras."

Ele conta que resolveu dar vazão ao seu sonho "maluco" de criar uma plataforma shakespeariana no Brasil quando conseguiu convencer a Vale a ceder para esse fim um terreno de 20 mil metros quadrados que estava abandonado. Outros patrocínios de peso estão sendo negociados.

Sotaque brasileiro

Image caption Maya (esq.) se reuniu no Globe com Peter McCurdy, responsável pela marcenaria artesanal do teatro londrino

Segundo Maya, o projeto também pretende ir além do dramaturgo inglês, ao debater e encenar autores nacionais, como Guimarães Rosa, Machado de Assis e Ariano Suassuna. Ainda seguindo essa ideia de intercâmbio, grupos daqui também vão interpretar Shakespeare no exterior.

Outra característica "brasileira" do complexo em Rio Acima se dá na construção do Globe brasileiro. "Como é uma réplica, é claro que o projeto da obra e a atmosfera da Inglaterra serão mantidos, mas o teatro vai ganhar roupagem e cores brasileiras", conta o ator.

A fachada típica do teatro em Londres (leia o quadro), com seu telhado de palha e muita madeira, será idêntica, assim como o anfiteatro principal, aberto e circular. No entanto, no teatro de Rio Acima, ganhará destaque a técnica de pau a pique, bastante comum no Brasil. Também serão usados elementos barrocos relacionados à cultura brasileira e, especialmente, à mineira.

O Shakespeare Globe inglês confirmou à BBC Brasil que o mesmo escritório de arquitetura responsável pelo teatro em Londres está envolvido no projeto mineiro, dando diretrizes e acompanhando a construção. O engenheiro Peter McCurdy, cuja empresa pesquisou e recriou o lado artesanal da construção britânica, também está trabalhando com Maya no projeto.

'Filiais'

Além de eventos na sede em Rio Acima, o Globe Theatre brasileiro também terá outros fora do local.

A região de Belo Horizonte receberá, a partir do mês que vem, um festival de teatro e projetos culturais, que vai passar por 25 cidades, como Ouro Preto, Mariana, Itabira, Tiradentes, Congonhas e a própria Rio Acima. A iniciativa recebeu R$ 3 milhões em patrocínio da Petrobras, que serão investidos neste ano na tentativa de fomentar o interesse pelas artes cênicas na região.

Já no Rio de Janeiro, o Globe brasileiro vai ter uma espécie de filial em um prédio doado pelo poder público na zona portuária, área da cidade que vem passando por um intenso projeto de remodelação.

Mas a empolgação de Maya com o projeto o fez ir além das capitais nacionais para buscar mais parceiros. Em Nova York, ele pediu a colaboração do James Shapiro, professor da Universidade de Columbia especialista em Shakespeare e autor de vários livros sobre o dramaturgo.

Shapiro aceitou participar fazendo parte do conselho que vai gerir o teatro em Rio Acima. O projeto terá outros colaboradores de peso no cenário brasileiro, como Barbara Heliodora, uma das críticas de teatro mais renomadas do Brasil e especialista em Shakespeare, e o diretor teatral Gabriel Vilella, cujo espetáculo Romeu e Julieta foi apresentado em português no Globe Theatre londrino. Ambos serão coordenadores de núcleos temáticos de arte e educação ligados ao Globe brasileiro.

Para a grande inauguração, em 2016, Maya sonha com um festival completo, com 37 peças. "Nesse dia, vou me despedir do meu lado produtor e empreendedor. E vou voltar a atuar", conta. "Aos 43 anos, eu vou ser Hamlet."

Notícias relacionadas