A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Deputados trocam socos no Congresso venezuelano

O Congresso da Venezuela viveu cenas de pancadaria nesta terça-feira.

Representantes da oposição e deputados governistas trocaram socos, após a aprovação de uma medida exigindo que congressistas só poderiam discursar se reconhecessem a vitória do presidente Nicolás Maduro.

Maduro, o sucessor de Hugo Chávez, foi eleito presidente da Venezuela na eleição de 14 de abril, tendo derrotado o oposicionista Henrique Caprilles por uma margem estreita.

Na segunda-feira, Caprilles acusou Maduro de haver "roubado" a Presidência. O oposicionista vinha exigindo uma recontagem voto a voto. O Comitê Nacional Eleitoral do país entretanto concordou apenas que fosse completada uma auditoria dos votos - que ainda está em andamento.

Entre os deputados agredidos nas cenas de violência no Congresso venezuelano estiveram o oposicionista Júlio Borges, que exibiu na TV os hematomas que sofreu.

Borges disse que ele e outros congressistas de oposição teriam sido agredidos deliberadamente por governistas, quando estavam sentados e de costas.

Mas o presidente Nicolás Maduro disse que era previsível que a oposição provocaria cenas de violência.

A Venezuela vive um momento de forte polarização política e representantes de Caprilles e do governo convocaram protestos de rua para serem realizados neste feriado do 1º de maio.