Aldo nega ‘maquiagem’ no Maracanã às vésperas da Copa das Confederações

  • 13 junho 2013
Aldo Rebelo (arquivo) | Foto: AP
Image caption Ministro Aldo Rebelo considera normal que haja obras em curso dois dias antes de torneio (arquivo)

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, afirmou nesta quinta-feira que considera natural que, dois dias antes do início da Copa das Confederações e a três dias da estreia do Maracanã no torneio, obras ainda estejam sendo executas no entorno do estádio carioca e em outras sedes da competição.

Em resposta a um jornalista brasileiro a serviço de um canal de televisão alemão que questionou se o estádio está completamente pronto e se as obras no local se tratam de "maquiagem", o ministro afirmou que o Maracanã oferece condições de segurança e que passou por dois grandes testes nos amistosos entre amigos dos jogadores Ronaldo e Bebeto e entre as seleções de Brasil e Inglaterra.

"O jogo (entre Brasil e Inglaterra) foi realizado dentro da mais absoluta tranquilidade e segurança e você diz que aquilo é uma maquiagem, eu não sei como as pessoas fazem maquiagem no seu país", disse o ministro em uma coletiva de imprensa realizada no Rio de Janeiro na tarde desta quinta-feira.

O ministro, no entanto, afirmou que é natural que obras ainda estejam sendo realizadas nos locais da disputa e disse que nem todas as obras no entorno do Maracanã estavam previstas para serem finalizadas antes da Copa das Confederações.

"É natural que ainda haja, não apenas no Maracanã, mas em outros estádios, pessoas trabalhando no acabamento ou na finalização da preparação para receber os jogos da Copa das Confederações", disse.

Pouco antes, Rebelo admitiu que houve atrasos na entrega de alguns estádios que receberão jogos do torneio, mas afirmou que "após um grande esforço", o Brasil está "em condições de corresponder às expectativas do próprio país e do mundo em relação" ao torneio visto como o grande teste antes da Copa do Mundo, em 2014.

Ingressos

A coletiva de imprensa contou também com a participação do presidente da Fifa, Joseph Blatter, do secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, e do presidente da CBF, José Maria Marin, e serviu para fazer um balanço dos preparativos para a Copa das Confederações.

Marin pediu aos torcedores que irão comparecer ao jogo de abertura do torneio, no estádio Mané Garrincha, em Brasília, no próximo sábado, que cheguem com antecedência ao local "para evitar filas" e "aproveitar" a cerimônia de abertura.

Segundo Marin, os portões serão abertos para a partida de estreia entre Brasil e Japão com quatro horas de antecedência.

Ainda durante o evento, Valcke fez um apelo para que os torcedores que já compraram ingressos para as partidas para que retirem suas entradas com antecedência, afirmando que "milhares" de pessoas ainda não o fizeram.

"Milhares de pessoas já pagaram pelos ingressos mas ainda não os retiraram. Nós temos muitas pessoas que pagaram pelos ingressos e não os retiraram e que precisam fazê-lo agora, porque elas não poderão retirar no dia do jogo", disse o secretário-geral da Fifa.

Ainda de acordo com Valcke, a venda de ingressos para os jogos da Copa das Confederações no Brasil foi "um sucesso".

"Nós vendemos três vezes mais ingressos aqui no Brasil do que vendemos na (Copa das Confederações da) África do Sul. Há um grande interesse dos brasileiros pela Copa das Confederações", disse.

Tecnologia

Uma das novidades do torneio que começa no próximo sábado será a utilização da tecnologia da linha do gol, que permitirá a solução de dúvidas a respeito de gols controversos.

"Esta tecnologia não é (apenas) uma solução, mas é a solução que vai ajudar o juiz em casos conflitantes para saber se a bola entrou ou não no gol", disse o presidente da Fifa, Joseph Blatter.

Blatter afirmou que foram realizados diversos testes com a nova tecnologia e que ele espera que ela possa ser usada em lances controversos durante o torneio.

"Esperamos ter algumas situações controversas para que possamos demonstrar essa tecnologia do gol e também ajudar ao árbitro e dar informação imediata ao público e às câmeras de televisão se foi ou não gol", disse.

Notícias relacionadas