Grupo convoca protesto também do lado de dentro de estádios da Copa

Castelão, em Fortaleza, em treino da seleção (Getty)
Image caption Manifestantes organizam protesto no estádio do Castelão (acima, durante treino da Seleção)

Organizadores de um protesto contra os gastos públicos para a Copa do Mundo em Fortaleza - palco do segundo jogo do Brasil na Copa das Confederações, na quarta-feira - querem levar para dentro do estádio o que até agora vem ficando do lado de fora.

Em uma página no Facebook criada para convocar a manifestação desta quarta-feira, os organizadores sugerem aos torcedores que compraram ingressos para as partidas da Copa das Confederações que não deixem de ir aos estádios, mas que se vistam de preto, pintem as mãos de vermelho e levem em cartazes para protestar.

"Não ir ao jogo não muda nada, os ingressos já estão pagos", diz texto publicado na página, mantida pelo Comitê Popular da Copa de Fortaleza.

"Toda forma de protesto está valendo", afirma à BBC Brasil o professor André Lima Souza, de 31 anos, integrante do Comitê Popular da Copa de Fortaleza. Segundo ele, tem havido uma conscientização da população brasileira sobre os custos de se sediar o evento.

"Antes era só oba-oba, mas agora a situação se reverteu. As pessoas estão revoltadas com a situação, com os gastos públicos, com a remoção forçada de pessoas para as obras da Copa", diz. "As pessoas estão aderindo aos protestos. Vejo que até a quantidade de bandeirinhas do Brasil por aí é pequena."

Feriado

Na segunda-feira, uma pequena manifestação reuniu centenas de pessoas entre o bairro de Benfica, próximo ao estádio Presidente Vargas, onde a seleção treinou à tarde, e o hotel Marina Park, onde a equipe está hospedada.

Mas os organizadores esperam um contingente bem maior de pessoas nesta quarta-feira, ao lado do estádio Castelão, onde o Brasil enfrenta o México a partir das 16h.

Até o início da tarde desta terça-feira, quase 30 mil pessoas haviam declarado na página do Facebook a intenção de ir ao protesto do dia seguinte. Outras 6,4 mil diziam que "talvez" compareçam.

Indiretamente, as autoridades municipais podem ter contribuído para aumentar a participação no protesto. Isso porque a Câmara Municipal de Fortaleza determinou feriado na cidade nos dias de jogo da Copa das Confederações no Castelão.

André Souza Lima afirma que o protesto deve ser pacífico e que não há a intenção de impedir a entrada de torcedores no estádio. "Esperamos que a polícia tenha bom senso, como em Belo Horizonte, e não parta para o confronto", diz.

A Secretaria de Segurança Pública do Ceará afirma que haverá 7 mil agentes de segurança nas ruas de Fortaleza durante a Copa das Confederações para proteger os torcedores.

'Para Copa, basta estádio'

Image caption Ativistas não concordam com gastos públicos em obras da Copa do Mundo

Para o comunicador social Roger Pires, de 23 anos, membro do Comitê Popular da Copa, o protesto não é contra a realização dos eventos esportivos em si. Mas sim contra os gastos públicos que, segundo ele, atenderiam aos interesses da Fifa, organizadora dos torneios, e não às necessidades da população.

"Gosto de futebol, quero ver futebol e não teria problema nenhum com a realização da Copa aqui, mas para isso bastaria um estádio", afirma. "O que não aceito são obras que não vão resolver os problemas da população e que vão consumir bilhões em verbas públicas. O que acontece fora do campo é o que me incomoda", diz.

O comitê questiona, entre outras coisas, os projetos de mobilidade urbana relacionados à Copa. Eles privilegiam principalmente o transporte entre o centro e a orla da cidade até a região do estádio do Castelão, na periferia de Fortaleza.

O principal desses projetos, o VLT (veículo leve sobre trilhos) - uma espécie de metrô de superfície, que deve ligar Mucuripe, na orla de Fortaleza, ao bairro de Parangaba, a poucos quilômetros do estádio Castelão - deve provocar a remoção forçada de 5 mil famílias, segundo o comitê.

A Secretaria de Infraestrutura do governo do Ceará, responsável pela obra, afirma que mudanças nos projetos reduziram o número de desapropriações necessárias e que serão cerca de 2 mil os imóveis desapropriados para a construção do VLT.

De acordo com a secretaria, os proprietários receberão uma indenização, além de uma unidade habitacional do programa "Minha Casa, Minha Vida", no caso de imóveis com valor abaixo de R$ 40 mil.

O governo do Estado contesta o argumento de que as obras de mobilidade urbana atendem somente aos interesses da Fifa, afirmando que a ligação entre Mucuripe e Parangaba deverá atender diariamente cerca de 100 mil pessoas, com integração a outros meios de transporte da cidade.

Visibilidade

Além das questões ligadas às obras de transporte, o Comitê Popular da Copa também afirma que a Copa do Mundo pode aumentar o turismo sexual na cidade. O evento atrairia muitos estrangeiros com o perfil dos exploradores identificado na recente CPI da Exploração Sexual da Criança e do Adolescente, da Câmara dos Deputados.

Segundo seus organizadores, a manifestação aproveita a Copa das Confederações para ganhar visibilidade. "O fato de o evento chegar à cidade oferece a oportunidade para nós nos manifestarmos sobre o que não consideramos correto", afirma Roger Pires.

Para ele, os bilhões de reais em gastos públicos para as obras da Copa levarão ao aumento da dívida do Estado e do Município, que terá que ser compensado com aumento de impostos e de tarifas, como as dos transportes.

"Isso vai ter um impacto direto no nosso custo de vida", afirma. "Tudo isso me faz querer me mobilizar e, por que não, levar ao cancelamento do evento."

Além do protesto programado para a quarta-feira, próximo ao estádio Castelão, há ainda pelo menos dois outros grandes protestos convocados nos próximos dias em Fortaleza: um na quinta-feira, para pedir melhorias e preços mais baixos nos transportes públicos e outro na sexta-feira, por mais investimentos em educação.

Após o jogo desta quarta-feira, entre Brasil e México, o Castelão sediará também a partida entre Nigéria e Espanha, no dia 23, e uma das semifinais, no dia 27, que poderá incluir o Brasil caso a seleção fique em segundo no seu grupo na primeira fase.

Notícias relacionadas