Argentina acompanha visita do papa ao Brasil por telão

Papa Francisco (foto: AP)
Image caption Embratur instalou telão em praça de Buenos Aires

A visita do Papa Francisco ao Brasil está sendo acompanhada ao vivo na Argentina por meio das principais emissoras de televisão, rádios, redes sociais e até em um telão instalado no centro de Buenos Aires.

A Embratur instalou um telão na Plaza San Martín, no centro da capital argentina, que transmite ao vivo todo o roteiro do papa Francisco pelo Brasil. Porém, a temperatura próxima de zero grau na Argentina durante a exibição da missa em Copacabana desestimulou o comparecimento em massa dos moradores. A expectativa, porém, é de que um público maior seja registrado no fim de semana.

Nas ruas de Buenos Aires, os comentários variam entre o entusiasmo e a indiferença. "Ele é argentino e está encantando os brasileiros. É motivo de orgulho para todos nós", disse a dentista Florência, de 37 anos, que recentemente esteve no Rio de férias com o marido e os filhos. "Nós estamos vendo tudo pela televisão. Emocionante o amor dos brasileiros para com ele", disse.

O jornaleiro Juan Almendíaz, de 48 anos, disse que a visita do Papa ao Brasil é acompanhada com "fervor" por sua família, mas ele "nem tanto". "Ele é franciscano, sempre foi preocupado com os pobres, os excluídos, sempre visitou as villas (favelas) e acho bom, mas não sou católico praticante", afirmou.

Em uma emissora de televisão, um correspondente afirmou: "é um papa que diz e que faz e que está emocionando os argentinos, os brasileiros e todos". A TV classificou a missa desta quinta-feira como 'Franciscomanía em Copacabana".

'Bagunça'

Uma das frases do pontífice – dita a uma multidão de argentinos na catedral do Rio de Janeiro – se tornou umas das mais comentadas nos sites e nas rádios da Argentina: "quiero que hagan lío en las dióceses" (quero que façam bagunça nas dioceses, em tradução livre).

O radialista Pepe Eliachev fez a pergunta aos ouvintes, na rádio Mitre, de Buenos Aires, para saber o que a frase poderia significar. "Acho que ele quis dizer que agitem, que participem, que levem a Igreja para a rua, como já dizia aqui em Buenos Aires", disse uma ouvinte.

O jornalista Gustavo Sierra escreveu no site do Clarín que a frase dita aos "mais de 40 mil jovens argentinos" que estão no Rio de Janeiro é "provocadora". Na última vez que foi dita frase semelhante, nos anos setenta, "provocou uma verdadeira revolução aumentando a participação dos jovens na Igreja" tanto de esquerda quanto de direita, escreveu o jornalista.

No canal 9 o debate foi o mesmo. "O que ele quis dizer com fazer bagunça? Surpreendeu. Mas ele é de carne e osso e sabe o que diz", disseram.

Ex-sacerdote

Desde que o ex-sacerdote da igreja de São José de Flores e ex-cardeal de Buenos Aires foi escolhido papa, em março, muitos cidadãos argentinos passaram a se gabar de ter tido algum tipo de contato prévio com Jorge Mario Bergoglio

Alguns disseram que receberam uma carta dele, foram batizados ou que fizeram a primeira comunhão com ele. "Uma carta de punho e letra e ele me perguntando até pelos meus pais", disse o padre Mario Miceli, que integra a comitiva de peregrinos argentinos que saíram de avião e de ônibus de Buenos Aires.

Notícias relacionadas