Como os líderes da América Latina usam o Twitter

  • 1 agosto 2013

Durante um evento com o então presidente russo Dmitry Medvedev, em 2010, Barack Obama comentou o fato de o colega ter criado uma conta no Twitter: "Nós agora podemos jogar fora aqueles telefones vermelhos que estão estão aí, inúteis, há tanto tempo."

Apesar do tom de piada do comentário feito pelo presidente americano, de fato, líderes mundiais vêm cada vez mais usando a ferramenta para incrementar suas relações diplomáticas e se comunicar com a população.

Três anos após a brincadeira de Obama, 77% dos líderes globais ─ ou seus governos ─ usam o Twitter, segundo dados do estudo "Twiplomacy 2013", que analisou o uso da ferramenta por parte de líderes globais e de seus governos.

A análise levou em conta 505 perfis ─ entre presidentes, premiês e chancelarias ─ de 153 países e incluiu comentários e críticas sobre a maneira como tuítam os líderes latino-americanos.

Quase todos os países da região, exceto Suriname e Nicarágua, têm contas oficiais na rede social e o uso do espanhol nos perfis analisados passou de 15% em 2012 para 31% neste ano, justamente pela participação dos líderes da região.

"O Twitter se consolidou como uma ferramenta de integração na diplomacia, inclusive na América Latina. É uma ferramenta rápida e muito útil nesse sentido", diz a consultora Paula Bakaj, da agência Burson-Marsteller Brasil, responsável pelo estudo, à BBC Brasil.

Mas se o Twitter é popular entre os líderes da região, o modo como eles usam a ferramenta varia bastante e vai dos que postam em grande quantidade aos que abandonaram seus perfis, passando por outros que usam a mídia social apenas para divulgar sua agenda oficial.

Confira abaixo alguns destaques do Twiplomacy sobre o comportamento na rede social dos líderes e governos da região e algumas comparações com seus pares mundo afora.

A mais popular

A presidente argentina Cristina Kirchner tem o maior número de seguidores de Twitter. "Vale lembrar que a Argentina é um país com um perfil de população muito politizada, que participa mais e há mais tempo", avalia Paula Bakaj.

  • Cristina Kirchner (@CFKArgentina): mais de 2,1 milhões de seguidores
  • Enrique Peña Nieto, presidente do México (@EPN): 1,9 milhões
  • Juan Manuel Santos (@JuanManSantos), presidente da Colômbia: 1,9 milhões
  • Dilma Rousseff (@dilmabr): 1,8 milhões, mesmo sem atualizar desde 2010
  • Nicolas Maduro (@NicolasMaduro): 1,2 milhões, sendo que entrou no Twitter neste ano e conquistou 1,1 milhão de seguidores em menos de 3 meses

* No mundo: No topo da lista está o presidente americano Barack Obama (@BarackObama), com mais de 33 milhões de seguidores.

O perfil com mais atualizações

A presidência da Venezuela é o perfil que mais posta - e não apenas na América Latina, mas também entre todos os 505 perfis analisados no estudo.

  • Presidência da Venezuela (@PresidencialVen): média de 41,9 tweets por dia.
  • Presidência da República Dominicana (@PresidenciaRD): 35,3 tweets pr dia
  • Presidência da Colômbia (@infopresidencia): 30,7 tweets por dia
  • Presidência do México (@PresidenciaMX): 24,9 tweets por dia

O mais bem conectado

Neste quesito, leva-se em conta o número de conexões mútuas, ou seja, quantos perfis a pessoa ou órgão segue e é seguido de volta. "Esse dado é importante porque mostra quem está interessado em receber e compartilhar notícias de outras países, ou seja, mostra que quer entender o que está acontecendo com outras nações", afirma Paula Bakaj.

  • Ministério das Relações Exteriores do Brasil (@MREBrasil): 15 conexões mútuas com outros órgãos ou líderes mundiais
  • Laurent Lamothe (@LaurentLamothe), primeiro-ministro do Haiti: 14
  • Ministério das Relações Exteriores do Peru (CancilleriaPeru): 12
  • Presidente da Colômbia (@JuanManSantos): 10

* No mundo: Carl Bildt (@carlbidt): ministro das Relações Exteriores da Suécia: 44 conexões mútuas

O mais 'conversador'

De nada adianta ter milhões de seguidores ou ter boas conexões, se não houver interação com os usuários. Por isso, responder a um tweet em que foi marcado é um item relevante para se medir o bom uso da ferramenta. E autoridades do Equador lideram nesse quesito, com altas porcentagens de respostas.

  • Rafael Correa (@MashiRafael), presidente do Equador : 83%
  • Ricardo Patino (@RicardoPatinoEC), chanceler do Equador: 43%
  • Laura Chinchilla (@Laura_Ch), presidente da Costa Rica: 39%
  • Presidência do Panamá (@SecComunicacion): 15%
  • Sebastián Piñera (@sebastianpinera), presidente do Chile: 15%

*No mundo: Amama Mbabazi (@AmamaMbabazi), primeiro-ministro de Uganda: 96%

O 'caso Dilma'

Ao lado do colega francês François Hollande (@FHollande), a presidente do Brasil é citada como exemplo de "aventura no Twitter" - ou seja, líderes que descobriram a ferramente durante suas campanhas eleitorais e, após eleitos, abandonaram seus perfis.

O último tweet de Dilma (@DilmaBR) foi ao ar assim que foi eleita, em dezembro de 2010: "Amigos, muito legal ser tão lembrada no twitter em 2010, Logo eu, que tive tão pouco tempo p/ estar aqui c/ vcs. Vamos conversar mais em 2011."

"Os mais de 1,8 milhão de seguidores da presidente ainda estão esperando pela continuação dessas conversas", disse Paula, lembrando que a ferramenta poderia ter sido bem usada durante os protestos para conversar com os brasileiros. "O custo de governantes não usarem ou usarem mal o Twitter é o de deixar a população desinformada, um grande risco."

Apesar do perfil inativo de Dilma, a Presidência da República também mantém no Twitter um perfil do Blog do Planalto (@blogplanalto), que não aparece entre os perfis analisados pelo estudo.

Tweets que ficaram famosos (tradução livre)

"Isso o deixaria feliz. Máximo, nosso filho, vai ser papai! Vou ter um neto! CFK avó! Deus te tira..., Deus te dá", tweet da presidente argentina, Cristina Kirchner (@CFKArgentina), aparentemente dirigida ao seu marido, Néstor Kirchner, morto em 2010.

"Olá a todos, estou em uma reunião, mais chata do que dançar com a sogra. Logo escrevo mais, adoro vocês!", tweet bastante irônico de Rafael Correa (@MashiRafael).

"No Estreito de Magalhães, olhando a Terra do Fogo e a Antártida, junto a minha mulher Cecília", tweet 'em falso' do presidente chileno, Sebastián Piñera (@sebastianpinera), que logo foi corrigido pelos usuários, que disseram que era algo impossível, já que a Antártida estava a 1,3 mil km de onde ele estava.

Notícias relacionadas