Cancelamento de encontro Obama-Putin põe em evidência crise bilateral

Obama e Putin, em foto de arquivo (Reuters) Direito de imagem Reuters
Image caption Obama cancelou novo encontro com Putin por conta do caso Snowden

O presidente dos EUA, Barack Obama, cancelou nesta quarta-feira seu encontro agendado com seu par russo, Vladimir Putin, após a decisão de Moscou de oferecer asilo ao ex-funcionário da CIA (Agência de Inteligência Americana) Edward Snowden - evidenciando a crise entre as duas potências.

Segundo a Casa Branca, o asilo concedido a Snowden, que delatou à imprensa um sistema secreto de monitoramento de informações pessoais, aprofundou tensões bilaterais pré-existentes.

O Kremlin se disse "decepcionado" com o cancelamento do encontro bilateral, marcado para setembro, e afirmou que o convite ao diálogo permanece.

As relações entre Washington e Moscou já não andavam bem por conta de divergências diversas - a começar pelo apoio russo à Síria, envolta em uma guerra civil -, antes mesmo de Snowden fugir à Rússia, ressalta o analista de diplomacia da BBC, Jonathan Marcus.

Assim, segundo ele, a questão Snowden é um sintoma de uma crise mais ampla entre os países, apesar das tentativas de Obama, em seu primeiro mandato, de iniciar uma nova relação com Moscou.

"Os países não têm mais poder equivalente e até agora não encontraram formas de cooperar em termos que beneficiem ambos", aponta Marcus.

'Formas de cooperar'

Em comunicado para anunciar o cancelamento do encontro bilateral, o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, citou "a falta de progresso (no diálogo mútuo) em temas como sistemas de defesa e controle de armas, relações comerciais, segurança global e direitos humanos".

Ele também disse que os EUA se "decepcionaram" com o asilo dado a Snowden.

"Acreditamos que será mais construtivo adiar o encontro até que tenhamos mais resultados em nossa agenda compartilhada", disse Carney.

O encontro entre Obama e Putin era previsto para setembro, quando Obama viaja à Rússia para a reunião econômica do G20 (grupo dos países mais ricos), na qual já confirmou presença.

Direito de imagem AFP
Image caption Snowden, que é acusado de espionagem nos EUA, obteve asilo de Moscou

Mas o encontro deve se tornar um cenário incômodo justamente por conta das divergências Moscou-Washington.

'Não tenho paciência'

A decisão de cancelar a reunião com Putin ocorre um dia depois de Obama ter dado entrevista ao programa de TV americano <i>The Tonight Show</i>, em que criticou uma recente lei antigay aprovada na Rússia.

"Não tenho paciência com países que tratam gays e lésbicas ou transgêneros de forma intimidativa ou prejudicial", disse Obama.

O último encontro entre os dois presidentes foi em junho, por conta da conferência do G8 na Irlanda do Norte.

Snowden, ex-técnico da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA e ex-funcionário da CIA, vazou em junho aos jornais <i>The Guardian</i> e <i>The Washington Post</i> documentos e detalhes sobre como a NSA tem acesso a dados sobre telefones e e-mails enviados ao redor do mundo.

Por meio do sistema, agentes da NSA teriam acesso direto a servidores de nove grandes empresas da internet, incluindo Google, Microsoft, Facebook, Yahoo, Skype e Apple.

Snowden fugiu de sua casa no Havaí rumo a Hong Kong e, depois, à Rússia. Nos EUA, ele é acusado de espionagem.

Após passar um mês em uma área de trânsito do aeroporto de Moscou - enquanto os EUA pressionavam países a não lhe conceder asilo -, ele obteve a concessão por um ano na Rússia.