Após novo vazamento, radiação em Fukushima atinge nível crítico

  • 1 setembro 2013
Usina nuclear de Fukushima | Foto: AFP
Image caption Nova medição indica que níveis de radiação estão 18 vezes mais altos do que inicialmente se supunha

Os níveis de radiação nas proximidades da usina nuclear de Fukushima, no Japão, estão 18 vezes mais altos do que se supunha inicialmente, alertaram neste domingo autoridades locais.

Na semana passada, o operador responsável pela planta informou que uma quantidade ainda não identificada de água radioativa vazou de um tanque de armazenamento.

Leituras mais recentes realizadas perto do local indicam que o nível de radiação chegou a um patamar crítico, a ponto de se tornar letal com menos de quatro horas de exposição.

A usina nuclear de Fukushima sofreu um forte dano em sua estrutura devido a um terremoto seguido por um tsunami em 2011.

A companhia de eletricidade de Tóquio (Tepco) informou inicialmente que a radiação emitida pela água vazada era de 100 milisieverts (unidade internacional de radiação) por hora.

No entanto, posteriormente, o órgão refez a medição e descobriu que o equipamento utilizado na primeira leitura só conseguia verificar níveis de radiação de até 100 milisieverts.

A nova medição, para a qual foi usada um aparelho mais sensível, indicou um nível de 1,8 mil milisieverts por hora.

O resultado terá implicações diretas para as doses de radiação recebidas pelos operários que passaram muitos dias tentando interromper o vazamento na semana passada, afirmou o repórter da BBC em Tóquio Rupert Wingfield-Hayes.

Além disso, a Tepco disse que descobriu um novo vazamento em outro cano que emite níveis de radiação de até 230 milisieverts por hora.

Desde o tsunami, a usina de Fukushima já sofreu uma série de vazamentos e quedas de energia.

Naquele ano, a força das águas interrompeu o funcionamento dos sistemas de refrigeração dos reatores. Três deles derreteram por causa do incidente.

Para evitar uma tragédia de maiores proporções, o governo japonês precisou manter um constante bombeamento de água para refrigerar as estruturas.

Foi a quarta vez que um grande vazamento ocorre nos tanques de armazenamento de Fukushima desde 2011. Também foi o pior de todos em termos de volume vazado.

Após a última ocorrência, a agência reguladora de energia nuclear do Japão elevou o nível de alarme de 1 para 3 na escala internacional, que mede a gravidade de acidentes atômicos.

A escala vai de 1 (menor grau) até 7 (maior grau).

Especialistas dizem que a quantidade de água vazada pode ser pior do que as autoridades informaram inicialmente.