Brasil pedirá explicações aos EUA sobre suposta espionagem a Dilma

Dilma Rousseff | Crédito: Reuters
Image caption Reportagem do Fantástico, da TV Globo, diz que EUA espionou conversas de Dilma com assessores

O Brasil vai pedir explicações ao governo americano sobre as denúncias de que autoridades americanas estariam monitorando conversas entre a presidente Dilma Rousseff e seus assessores.

A notícia sobre a suposta ação da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) no Brasil foi divulgada no domingo em reportagem no programa Fantástico, da TV Globo.

Segundo a Globo, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, se reuniu com a presidente Dilma Rousseff no domingo para tratar sobre o assunto. O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, vai ser chamado pelo governo brasileiro para dar explicações.

"Se forem comprovados os fatos, nós estamos diante de uma situação que é inadmissível, inaceitável. Eles qualificam uma clara violência à soberania do nosso país", disse Cardoso à TV Globo.

"O Brasil cumpre fielmente com suas obrigações e gostaria que todos os seus parceiros também às cumprissem e respeitassem aquilo que é muito caro para um país, que é a soberania."

Ele acrescentou que apelará aos órgãos internacionais para garantir a soberania do país e pedirá explicações formais ao governo dos Estados Unidos.

Caso Snowden

Segundo o Fantástico, o presidente do México, Enrique Peña Nieto também teria sido um dos alvos do esquema de espionagem.

A reportagem diz ter conseguido documentos secretos junto ao fugitivo americano Edward Snowden que comprovam a existência do monitoramento.

Ex-agente da NSA, Snowden foi o responsável por denunciar, em junho deste ano, um extenso programa de monitoramento de dados de telefone e de internet pelo governo americano dentro e fora do país.

Os documentos foram fornecidos ao Fantástico pelo americano Glenn Greenwald, o primeiro jornalista a revelar o esquema de espionagem eletrônica. Ele mora com seu parceiro, o brasileiro David Miranda, no Rio de Janeiro.

Segundo Greenwald, que foi co-autor da reportagem, a informação sobre o monitoramento de Dilma e Peña Nieto consta em uma apresentação interna da NSA.

A apresentação revela que os EUA espionaram as comunicações de Dilma e Peña Nieto com pessoas que se supõem serem seus principais assessores.

No documento, datado de junho de 2012, a NSA explica como monitorou os dois presidentes, diz a reportagem.

Em um dos slides, sob o título "mensagens interessantes", aparecem duas mensagens de texto de celular supostamente enviadas por Penã Nieto.

Em uma delas, ele diz quem seriam dois de seus ministros caso vencesse as eleições presidenciais mexicanas.

Logo em seguida, há uma explicação sobre como Dilma foi monitorada.

A apresentação não mostra, entretanto, exemplos de mensagens ou chamadas telefônicas entre a presidente e seus assessores, acrescenta a reportagem.

Mas no último slide da apresentação a NSA diz que o método de monitoramento é "uma filtragem simples e eficiente que permite obter dados que não estariam disponíveis de outra maneira. E isso pode ser usado de novo".

A reportagem também diz ter recebido um segundo documento que diz que a NSA tem um departamento internacional encarregado de espionar Japão, Brasil, Turquia e a Europa Ocidental.

Um terceiro documento, também fornecido ao Fantástico, lista os desafios geopolíticos que serão enfrentados pelos EUA de 2014 a 2019.

Em um tópico chamado "Amigos, inimigos ou problemas?", o Brasil aparece novamente, mas junto do Egito, Índia, Irã, Turquia e México.

Notícias relacionadas