DNA confirma que búlgaros são pais de menina loira achada com ciganos

Maria (AP)
Image caption Testes de DNA confirmam que Maria é filha de um casal búlgaro

O Ministério do Interior da Bulgária informou nesta sexta-feira que exames de DNA confirmaram que um homem e uma mulher da comunidade cigana do país são os pais biológicos de uma menina encontrada com ciganos na semana passada na Grécia.

Os pais de Maria, apelidada de "anjo loiro", são Sasha Ruseva e Atanas Rusev. A polícia agora investiga acusações de que a mãe teria vendido a criança, algo que Sasha nega.

Maria foi retirada de um acampamento cigano na semana passada na cidade de Farsala, região central da Grécia, depois de a polícia notar que ela não se parecia com os adultos com quem morava.

O casal formado por Christos Salis e Eleftheria Dimopoulou, que cuidava de Maria, foi acusado de sequestro, mas eles insistem que a criança foi entregue a eles de forma legítima.

Maria está o momento sob os cuidados de uma organização beneficente de Atenas chamada O Sorriso de uma Criança.

Entrevista

Os pais biológicos de Maria já têm oito filhos. Eles foram entrevistados por um canal de televisão búlgaro na casa onde moram, no bairro da comunidade cigana na cidade de Nikolaevo, região central da Bulgária.

Sasha Ruseva disse a jornalistas na ocasião que ela e o marido estavam trabalhando na cidade grega de Larisa há quatro anos quando ela teve uma menina.

A criança tinha sete meses quando o casal teve que voltar para a Bulgária. Sasha afirmou que, na época, não tinha dinheiro para levar a criança de volta.

Image caption Sasha Ruseva nega que tenha vendido a filha a ciganos gregos

Na entrevista, ela rejeitou as acusações de que teria vendido a menina.

Sasha afirmou que, na época, estava conversando com uma colega de trabalho sobre sua situação e, segundo a búlgara, a mulher disse "me dê esta criança, vou cuidar dela. Você pode pegar ela de volta quando quiser".

"Mas eu tinha outras crianças para cuidar e não pude ir (...). Nunca recebi nenhum dinheiro por isso", afirmou Sasha.

Autoridades búlgaras informaram que, durante um interrogatório, Sasha reconheceu o casal Christos Salis e Eleftheria Dimopoulou como as duas pessoas que ficaram com a menina quando ela foi embora da Grécia.

Promotores búlgaros já apresentaram acusações preliminares contra Sasha Ruseva por "vender uma criança deliberadamente enquanto residia fora do país".

O site de notícias grego Zougla.gr publicou antes o que afirma ser o cartão de identidade de Sasha e uma certidão de nascimento de Maria, mostrando que ela nasceu um hospital em Lamia, não muito longe das cidades de Farsala e Larisa.

De acordo com esta certidão, Maria teria nascido em 2009.

Notícias relacionadas