Cientistas dão dicas sobre como evitar o respingo da urina

  • 9 novembro 2013
Image caption Os cientistas pretendem melhorar a higiene e a harmonia entre mulheres e homens nos banheiros

Físicos americanos estudaram a dinâmica do respingo da urina e descobriram maneiras para ajudar homens e mulheres a serem precisos na hora de urinar.

Os cientistas usaram câmeras de alta velocidade para filmar o momento em que os jatos de líquido espirram nas paredes do vaso sanitário, e estudaram o resultado.

Segundo a equipe da Universidade Brigham Young, em Utah, quando o "ângulo de ataque" do jato é mais fechado, o respingo é menor.

O estudo será apresentado em um encontro da Sociedade Americana de Física.

"Em resposta a críticas repetidas e severas de nossas mães, e a vários relacionamentos fracassados com mulheres, apresentamos a dinâmica do respingo em uma simulação do fluxo de urina de um homem", diz um resumo do estudo para a conferência.

A pesquisa foi liderada por Tadd Truscott e Randy Hurd do Splash Lab na Universidade Brigham Young, que, de brincadeira, se referem-se a si mesmos como os "wizz kids" (garotos do xixi, em tradução livre).

"As pessoas me perguntam, você está falando sério? E eu digo que sim. Isso parece piada de uma pessoa de 12 anos, mas é também um problema muito sério", Truscott disse à BBC.

"Nós estivemos em banheiros nojentos, com poças de urina no chão. Esses lugares são um terreno fértil para as bactérias."

Para obter um resultado mais preciso com o estudo, a dupla construiu um simulador de micção. O Water Angle Navigation Guide é um balde de 22.7 litros com mangueiras ligadas a dois tipos de uretra sintéticas.

Em pé ou sentado?

A equipe disparou água colorida em vários "vasos sanitários" na velocidade e pressão média da micção humana.

Em seguida, usando uma câmera de alta velocidade, eles capturaram o momento do impacto, com uma imagem extraordinariamente detalhada.

O respingo foi agravado por um fenômeno conhecido como instabilidade de Rayleigh–Taylor, em que um jato d'água se quebra em gotas.

"O fluxo de urina masculina se divide depois de cerca de 17 cm fora da saída da uretra", explicou Hurd.

"Então, no momento em que ela atinge o mictório, ele já está em forma de gota. Todas essas gotas são as responsáveis pelos respingos indesejados em suas calças cáqui."

Seu conselho? "Quanto mais perto do mictório melhor."

É claro que, em um banheiro doméstico, a distância de um vaso sanitário é regida por uma variável: "urinar sentado ou em pé".

"As pessoas estão sempre discutindo o que é melhor, porque quando você se senta, está também mais propício a se molhar", diz Truscott.

"Na Alemanha existe o termo sitzpinkler para o homem que se senta para urinar, que quer dizer algo como covarde."

"Por isso queríamos entender se urinar sentado é realmente eficaz. Quais são as diferenças no respingo?"

Para comparar as duas posições, os cientistas entregaram réguas para seus amigos e os mandaram para o banheiro.

"Quando você urina em pé, você está cinco vezes mais longe do mictório - e isso é uma diferença muito significativa na velocidade do impacto das gotas de urina", disse Hurd.

O impacto da urina com a água do vaso sanitário foi capturado em vídeo pelo time de pesquisadores.

"Você pode ver que as gotas criaram uma grande cavidade na água, que, em seguida, entra em colapso, causando um respingo ainda maior. A quantidade de respingo é considerável", explicou Hurd.

"Parece que urinar sentado em um vaso sanitário tradicional é a melhor maneira de evitar respingos indesejados."

Ângulo de ataque

Acima de tudo, diz ele, "a melhor coisa que você pode fazer" para reduzir os respingos - sentado ou em pé - é alterar o "ângulo de ataque".

Image caption O aparato simula a micção masculina

Apontar diretamente na parede vertical de um mictório - num ângulo de 90 graus - pode não ser uma boa ideia, assim como mirar direto na água do vaso sanitário.

"Estreitar o ângulo realmente ajuda", disse Hurd. Para um mictório comum, a "melhor técnica" é ficar em pé ligeiramente para um lado, e apontar para baixo com um pequeno ângulo de impacto.

"Desta forma, você tira vantagem de ambas as técnicas para reduzir o respingo", explica Hurd.

Truscott estimula homens e mulheres a serem "artísticos" com sua mira e a encontrarem um ângulo que funcione bem no local em que estiverem.

O design de banheiros públicos e domiciliares nem sempre ajudam a sermos 100% eficientes, ele disse.

"A maioria das superfícies onde urinamos, como a porcelana, são hidrofílicas, o que é uma desvantagem. A água se espalha por elas, criando uma poça onde a urina é espirrada", disse Hurd.

Ele acredita que os revestimentos hidrofóbicos (que tem "medo" da água) tornarão os vasos sanitários mais higiênicos, com benefícios importantes para hospitais, escolas e locais de trabalho.

A equipe da Universidade Brigham Young foi "inundada" com produtos comerciais para reduzir o respingo - como tecidos para serem inseridos nos vasos, mictórios com nadadeiras triangulares, e vasos sanitários com ângulos de inclinação diferentes.

"Alguns funcionaram de forma fantástica, enquanto outros realmente não funcionam. São quase pior do que ter nada", disse Truscott.

"O meu favorito é desenhar uma mosca na parede para indicar onde você dever apontar. Infelizmente, algumas empresas colocam a mosca no lugar errado."

A Sega, que desenvolve vídeo games, criou o jogo "Toylet", que foi instalado em estações de metrô em Tóquio e dá pontos para homens que são precisos na hora de urinar.

Mas Truscott diz que um dos truques mais eficientes é também o mais simples: jogue alguns pedaços de papel higiênico no vaso para suavizar o impacto.

O time do Splash Lab pretende investigar mais profundamente o design dos vasos sanitários e descobrir a "abordagem ideal para o uso do mictório", removendo alguns dos obstáculos existentes para a harmonia entre homens, mulheres e banheiros.

Notícias relacionadas