Pianista pode ser presa por 20 meses por ‘atormentar’ vizinha na Espanha

Laia Martin (AP)
Image caption Laia também pode ser condenada a pagar multa e a ficar sem tocar profissionalmente

Promotores na Espanha estão pedindo à justiça 20 meses de prisão para uma pianista profissional que foi processada por uma vizinha por "poluição sonora" na cidade de Girona, próxima a Barcelona (nordeste do país).

O caso provocou críticas, mas a promotoria disse que Sonia Bosom vem sofrendo há anos com sua vizinha, Laia Martin, de 27 anos, que toca piano oito horas por dia, cinco dias por semana.

A promotora Emma Ruiz disse que a pianista deveria ficar presa durante 16 meses por poluição sonora e outros quatro meses por causar "danos psicológicos" a sua vizinha.

Sonia diz que ficou tão traumatizada com pianos que ela não consegue vê-los nem em filmes.

A promotora também pediu que Laia seja proibida de realizar qualquer apresentação de piano profissional durante seis meses e que ela pague uma mutal de 6 euros (cerca de R$ 17) por dia, durante nove meses.

Choro

O caso vem atraindo uma onda de críticas e de ridicularizações, devido à sentença pesada que a pianista pode pegar.

Ela apareceu chorando no tribunal nesta sexta-feira, mas não quis comentar sua possível condenação.

Sua vizinha disse que resolveu processá-la porque foi obrigada a ouvir Laia tocando por horas, quase todos os dias, durante quatro anos (entre 2003 e 2007).

O caso avançou nos tribunais depois que testes feitos por autoridades locais mostraram que as lições de pianos chegavam a dez decibéis acima do limite de 30 decibéis determinado na cidade para instrumentos musicais.

Funcionários da prefeitura fizeram diversos pedidos para que ela parasse de tocar ou reformasse o local para deixá-lo à prova de som.

Por duas vezes, os pais da pianista reformaram o quarto para abafar o som, mas isso não fez com que a vizinha parasse de reclamar.

Nuria Blanes, uma cientista ambiental da Universidade Autônoma de Barcelona, disse que um barulho de cerca de 40 decibéis "não é muito alto". Uma conversa normal chega a 60 decibéis, enquanto o barulho em um bar pode atingir 70 decibéis.

O veredicto do caso deve sair em duas semanas.

Notícias relacionadas