Com seleções definidas, Brasil já contempla cenários para a Copa

  • 21 novembro 2013
  • comentários
Torcida brasileira na Copa das Confederações Image copyright AFP
Image caption Com as seleções definidas, já é possível simular os possíveis grupos do Brasil na Copa

A pouco mais de seis meses para a Copa do Mundo de 2014, as 32 seleções que virão ao Brasil estão finalmente definidas e só agora o país pode dizer que espantou de vez as "zebras”.

As repescagens na Europa e na América do Sul confirmaram as classificações dos únicos campeões mundiais que ainda corriam o risco de não vir ao Brasil no ano que vem – Uruguai e França – e, assim, o torneio no país começa a ser desenhado com as melhores equipes do mundo em campo.

Com isso, Uruguai (campeão em 1930 e 1950), Itália (1934, 1938, 1982 e 2006), Alemanha (1954, 1974, 1990), Inglaterra (1966), Argentina (1978, 1986), França (1998) e Espanha (2010) se juntam ao Brasil em uma Copa do Mundo que terá a tradição de todas as equipes que já levantaram a taça ao menos uma vez na história.

Além das melhores equipes do mundo, os brasileiros também poderão ver os melhores jogadores da atualidade atuando em solo nacional no ano que vem.

Grandes rivais na Espanha e também na disputa pela Bola de Ouro – troféu que premia o melhor jogador do mundo no ano – o argentino Lionel Messi e o português Cristiano Ronaldo já têm o passaporte para o Brasil carimbado.

Image copyright AP
Image caption Um dos melhores do mundo, Cristiano Ronaldo estará na Copa no Brasil

A presença de Ronaldo, porém, acabou deixando uma estrela de fora. O atacante sueco Ibrahimovic, um dos melhores do mundo, não estará em campo no Brasil, já que seu país foi eliminado por Portugal na repescagem europeia.

Em compensação, as estrelas do futebol espanhol, Xavi e Iniesta, os craques alemães Thomas Muller, Mario Gotze e Ozil, além dos consagrados Wayne Rooney e Frank Lampard, da Inglaterra, estarão no Brasil para fazer companhia à grande promessa brasileira nesta Copa, Neymar.

Além dos melhores jogadores e das mais tradicionais seleções, o Mundial no Brasil também terá uma estreia. A Bósnia, país que foi palco de guerra civil entre 1992 e 1995, conseguiu uma classificação histórica e disputará a Copa pela primeira vez no ano que vem.

Além da estreante, a Copa do Mundo de 2014 terá outras sete novidades com relação às ao Mundial de 2010, na África do Sul. Bélgica, Rússica, Croácia, Colômbia, Equador, Costa Rica e Irã são as seleções que não estiveram no torneio passado e estarão no Brasil no ano que vem.

Rumo ao Hexa

Mesmo com as 32 seleções definidas, só será possível saber os times que cruzarão o caminho do Brasil rumo ao hexacampeonato na Copa no dia 6 de dezembro, quando ocorre o sorteio da fase de grupos do Mundial, na Costa do Sauípe (BA).

Enquanto o mistério continua, os jogadores seguem adotando o discurso tradicional de que "não se pode escolher adversário” em um campeonato tão importante como esse.

O próprio meio-campista Ramires, um dos jogadores que já tem presença praticamente garantida na Copa, já avisou que a seleção tem que encarar todos os jogos com a mesma seriedade, independente de quem esteja do outro lado do campo.

"Acho que todos que nós enfrentarmos serão difíceis. Não tem como falar um ou outro adversário, temos que enfrentar todos com a mesma seriedade, porque Copa do Mundo é Copa do Mundo, não tem brincadeira", disse o jogador do Chelsea, em entrevista à BBC Brasil.

Mas, se os adversários ainda não estão definidos, pelo menos já é possível simular como serão os quatro potes com as seleções que darão origem aos oito grupos da primeira fase do Mundial. Caso a Fifa siga os mesmos critérios adotados na África do Sul, eles ficariam assim:

Pote 1 Pote 2 Pote 3 Pote 4
Brasil EUA Gana Holanda
Espanha Costa Rica Nigéria Itália
Argentina Honduras Argélia Inglaterra
Alemanha México Costa do Marfim Rússia
Suíça Japão Camarões Bósnia
Bélgica Austrália Chile Portugal
Colômbia Irã Equador Grécia
Uruguai Coreia do Sul França Croácia

Possíveis grupos

A Fifa confirmará o critério para todos os potes no próximo dia 3, três dias antes do sorteio final. Ainda assim, pelo menos o primeiro pote (dos cabeças de chave) já está definido, com as sete primeiras seleções ranqueados pela entidade, além do Brasil, sede do torneio. Mas, ainda que tenha se livrado de adversários difíceis, como a Espanha, a eterna rival Argentina e a Alemanha, a seleção brasileira ainda pode ter um caminho bastante tortuoso para chegar às oitavas de final do Mundial.

No pior dos cenários, a equipe brasileira poderia ter as campeãs mundiais França (que estará no pote 3) e Itália (pote quatro) além do tradicional México logo na primeira fase do torneio, naquele que poderia ser chamado "grupo da morte”.

Image copyright Getty
Image caption Brasil pode ter caminho difícil para chegar ao hexacampeonato em 2014

Já o "grupo dos sonhos” para os pupilos de Felipão teria adversários fracos e sem nenhuma tradição no torneio, como Bósnia, Argélia e Irã.

Para espantar qualquer chance de azar, seria bom que a seleção brasileira conseguisse "fugir" também de adversários que já lhe causaram as maiores zebras da história. Um "grupo dos pesadelos" ao lado de França, Portugal e Honduras traria as piores recordações à equipe verde-amarela.

A França foi responsável pelo vexame brasileiro na final da Copa de 1998 e também pela eliminação inesperada do time galáctico de 2006, no Mundial da Alemanha, nas quartas-de-final. A seleção portuguesa, por sua vez, selou a eliminação brasileira na Copa de 1966 logo na primeira fase - o Brasil chegou à competição credenciado pelo bicampeonato mundial conquistado quatro anos antes e sofreu a decepção logo após os três primeiros jogos do torneio.

Para finalizar, Honduras, o pesadelo brasileiro na Copa América de 2001, quando o próprio técnico Luiz Felipe Scolari iniciava seu primeiro trabalho na seleção e viu os hondurenhos eliminarem o Brasil vencendo nas quartas-de-final por 2 a 0.

O cenário, nesse caso, poderia até piorar se o Uruguai não fosse cabeça de chave. A equipe celeste foi a responsável pela maior decepção da história do futebol brasileiro, ao conquistar a Copa de 1950 vencendo o Brasil em pleno Maracanã, no episódio que ficou conhecido como "Maracanazo".