Suíços rejeitam proposta de limitar salários de executivos

Cartaz faz propaganda de proposta da esquerda suíça para reduzir salários de executivos (foto: Reuters) Direito de imagem Reuters
Image caption Projeto foi considerado muito radical para a maioria dos eleitores

Eleitores suíços rejeitaram, neste domingo, um projeto de lei que teria limitado o salário de executivos do país - estes só poderiam ganhar 12 vezes mais do que o menor salário dentro de sua empresa.

Em referendo, 65,3% dos eleitores votaram contra a proposta; 34.7% votaram a favor.

A Suíça é sede de diversas multinacionais, incluindo as gigantes farmacêuticas Novartis e Roche, as seguradoras Zurich e Swiss Re e os bancos UBS e Credit Suisse.

Se tivesse sido aprovado, o projeto de lei teria dado à Suíça a mais rígida lei salarial do mundo - e talvez limitado os salários de executivos para um dos menores níveis de que se tem notícia.

Mas empresários rebateram dizendo que a lei prejudicaria investimentos estrangeiros no país.

Apesar do descontentamento público ante a notícia de que alguns executivos suíços ganham centenas de vezes mais do que o salário de seus empregados, os argumentos do governo - que alegou que restrições salariais afetariam a economia do país e restringiriam investimentos - parecem ter influenciado o eleitorado.

Radical

A juventude socialista do país, que propôs o projeto, reconheceu derrota.

Segundo a correspondente da BBC News na Suíça, Imogen Foulkes, a iniciativa foi vista como radical demais para a maioria dos votantes. Sua rejeição foi maior em regiões como Zurique e St. Gallen, onde a presença de grandes negócios é maior.

Este foi o segundo referendo sobre o tema realizado na Suíça neste ano: em março, os eleitores decidiram em favor de um pacote de medidas que aumenta o poder de decisão dos acionistas sobre os salários dos executivos.

Apesar da rejeição ao projeto de lei neste domingo, a questão dos altos salários de executivos deve permanecer na pauta.

No início do ano que vem, os suíços voltarão às urnas para uma referendo sobre salário mínimo.

Debate

O tema ganhou destaque no país ante a revelação de que executivos recebem salários mais de 200 vezes maior que o de empregados, mesmo em empresas que cortaram empregos.

"A riqueza suíça é distribuída de forma injusta. Executivos recebem milhões, mas mais de 300 mil pessoas no país têm de trabalhar para ganhar uma ninharia", declarou, antes do referendo, David Roth, presidente da ala jovem do Partido Socialista Suíço.

A gota d’água do ressentimento público veio em fevereiro, quando a Novartis anunciou que pagaria um pacote de aposentadoria no valor de 72 milhões de francos suíços (US$ 79 milhões) para seu então presidente, Daniel Vasella. Mais tarde, a empresa reduziu o valor para 5 milhões de francos suíços.