Fotos de topless em mirante de Nova York geram processo na Justiça

foto de mulher de topless | Allen Henson Direito de imagem Allen Henson
Image caption Imagens foram feitas em mirante de um dos prédios mais visitados de Nova York

As empresas que administram o Empire State Building, em Nova York, estão processando um fotógrafo que fez imagens de uma mulher de topless no 86º andar do prédio.

As companhias ESRT Observatory e ESRT Empire State Building alegam que Allen Henson, fotógrafo e veterano de guerra, não obteve permissão prévia para fazer as fotos e que suas ações foram "inadequadas" em um local que é atração turística para muitas famílias.

Henson alega que usou seu telefone celular para fotografar uma amiga, a modelo texana Shelby Carter, mas que as imagens têm "valor comercial zero".

As images foram feitas em 9 de agosto do ano passado no mirante do prédio.

"Não se tratou de um ensaio fotográfico", disse ele à BBC.

"A gente achou que seria uma ideia maravilhosa, com uma vista incrível e não iria prejudicar ninguém", disse, acrescentando que "ninguém ficou ferido e não havia crianças ao redor".

Sem lógica

Direito de imagem Allen Henson
Image caption Ex-combatente no Iraque, Henson fotografou amiga sem sutiã

Henson ainda disse que soube da ação por meio dos meios de comunicação na segunda-feira e que ainda não havia contratado um advogado.

Na ação protocolada Corte Suprema do Estado de Nova York, as empresas esperam receber US$ 1,1 milhão (R$ 2,5 milhões) em danos.

As companhias alegam que o fotógrafo não pediu permissão para fazer as fotos e que o incidente ameaçou sua capacidade de garantir "um lugar seguro e adequado para famílias e turistas".

O Empire State Building recebe quatro milhões de visitantes por ano.

O fotógrafo ressalta que não arrecadou dinheiro com o material e argumenta que muitos turistas que estavam no local também estavam fotografando e filmando com seus telefones sem obter qualquer permissão.

"Não é lógico", rebate ele. "Eles estão cometendo um grande erro ao me processar", avalia.

Notícias relacionadas