Síria: Assad não tem intenção de renunciar

  • 19 janeiro 2014
Image copyright AFP
Image caption Al Assad insistiu que permanecerá na liderança

O presidente da Síria Bashar al-Assad disse que não tem intenção de renunciar, e que a questão não está em pauta nas negociações de paz que acontecem na próxima semana.

"Se quiséssemos nos render, o teríamos feito desde o início", Assad disse à deputados russos em Damasco, de acordo com a agência de notícias Interfax.

O governo, os grupos da oposição e diplomatas ocidentais irão participar de negociações de paz na Suíça, na próxima semana.

Mais de 100 mil pessoas foram mortas, e milhões foram deslocados no conflito na Síria.

No entanto, a presidência do país disse mais tarde que os comentários citados pela Interfax estavam "incorretos", mas não deu maiores detalhes.

Grupos de oposição exigiram anteriormente a remoção de Assad como condição para qualquer discussão sobre um possível governo de transição.

Mas o Conselho Nacional Sírio, o principal órgão da oposição no exílio, anunciou no sábado que iria participar das negociações.

A decisão foi elogiada pelos Estados Unidos que, com a Rússia e a ONU, está assumindo um papel de liderança na organização das negociações.

Negociações

O caminho para as negociações foi aberto em maio do ano passado, quando o secretário de Estado dos Estados Unidos John Kerry e seu colega russo, Sergei Lavrov, concordaram em tentar reunir os dois lados do conflito.

Mais tarde, o Conselho de Segurança da ONU convocou uma conferência para implementar o comunicado de Genebra - um acordo sobre um governo de transição acordado em uma reunião apoiada pela ONU em 2012.

Damasco concordou em participar nas negociações, mas disse que sua delegação iria prosseguir "em primeiro lugar, eliminando o terrorismo".

Assad teria reiterado esse ponto de vista em suas conversas com os deputados russos.

O correspondente da BBC Jim Muir no Líbano diz que seus comentários reforçam o abismo escancarado entre o regime e a oposição, e claramente não irão ajudar nas negociações.

Notícias relacionadas