Pressionadas por prazos, Fifa e SP unem forças para viabilizar abertura da Copa

Jérôme Valcke faz primeira visita à Arena Corinthians após acidente de novembro / Crédito da Foto: BBC
Image caption Prefeitura de São Paulo, governo estadual, COL e Fifa se juntam para viabilizar Copa na cidade

A cidade de São Paulo foi, ainda em 2011, confirmada como sede da abertura da Copa do Mundo de 2014, quando os governos municipal e estadual firmaram com a Fifa o compromisso de providenciar a infraestrutura necessária para receber a primeira partida do Mundial.

Faltando menos de cinco meses para o pontapé inicial – que será dado na partida entre Brasil e Croácia, em 12 de Junho -, governo, prefeitura e o próprio Corinthians, clube responsável pela construção do estádio, em Itaquera (zona leste de São Paulo), ainda correm contra o tempo para finalizar as obras.

O estádio (Arena Corinthians) está 97% pronto, mas só deve ter todo o trabalho finalizado em 15 de abril. As obras viárias para facilitar o acesso a Itaquera também devem ser entregues somente entre março e abril.

Mas, após a reunião nesta segunda-feira, com a participação do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, da vice-prefeita, Nádia Campeão, do secretário de planejamento do governo estadual, Julio Semeghini, do responsável do Corinthians pelas obras na arena, Andrés Sanchez, e do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, todas as partes chegaram a um comum acordo para viabilizar a abertura da Copa em São Paulo.

Image caption Guindaste que causou acidente foi retirado e obras voltam ao normal na Arena Corinthians

"Nós estamos muito satisfeitos com o que vimos hoje, tivemos uma excelente reunião", avaliou Valcke.

"Abordamos todos os assuntos que devem ser discutidos para o jogo de abertura e também para os outros jogos. A Copa não é um evento fácil de organizar, mas estamos trabalhando juntos, com o forte apoio do prefeito e do governo", completou.

"O que ficou de mais importante dessa visita é que todos têm uma data de chegada de cinco meses que é muito próxima", declarou Nádia Campeão, que esteve em Itaquera após a reunião na prefeitura. "Então ficou claro que é preciso tensionar todas as forças e trabalhar de forma mais integrada e conjunta."

"Vamos ter grupos mais integrados ainda entre COL (Comitê Organizador Local), Fifa, prefeitura, estádio e governo estadual para que essa integração possa ganhar tempo e agilizar mais", completou.

Exigências da Fifa

A reunião de segunda também foi marcada por definições sobre a atribuição de responsabilidades de uma lista apresentada pela Fifa com 5 mil requisitos para a cidade-sede da abertura da Copa do Mundo.

Entre as exigências da entidade estão uma área de imprensa no estádio capaz de comportar de 4 mil a 5 mil jornalistas, um estacionamento e uma área VIP maior, entre outras coisas – algumas delas já até estavam resolvidas, mas foram incluídas na listagem trazida pelo comitê da Fifa.

Para amenizar os custos, a prefeitura propôs utilizar algumas estruturas já existentes no entorno de Itaquera e adaptá-las durante a Copa.

"Fizemos um convênio com o Shopping Itaquera, então não vai ser necessário um estacionamento provisório. Vamos usar a Fatec/Etec como centro de voluntariado, então não será preciso construir isso", explicou Campeão. "São muitos exemplos de estrutura que estamos compartilhando pra minimizar custos que seriam só para esses jogos da Copa."

Image caption Prefeitura de São Paulo não aceitou algumas exigências da Fifa para o Mundial

A BBC Brasil também apurou que, durante a reunião, o prefeito Fernando Haddad chegou a barrar algumas exigências da Fifa. A entidade pedia, por exemplo, que em dias de jogos na Arena Corinthians, o bilhete do metrô fosse gratuito para quem apresentasse o ingresso da partida, como aconteceu em algumas cidades na Copa das Confederações – Haddad, porém, não concordou com a medida e manteve a tarifa normal para os torcedores que forem ao estádio.

Outro entrave entre Fifa e a prefeitura de São Paulo foi com relação à Fan Fest (espaço para cerca de 30 mil torcedores, onde acontecem shows e há exibição dos jogos do Mundial em telão).

O evento será no Vale do Anhangabaú, mas em meio às exigências da entidade para segurança e outros itens – que incluiriam um investimento maior da prefeitura -, Haddad chegou a sugerir a mudança de local para o Sambódromo, onde boa parte da estrutura exigida já está pronta. A entidade, porém, chegou a um acordo com o prefeito e a Fan Fest foi mantida no Centro.

Ainda com algumas pendências com relação às estruturas que ainda faltam ser erguidas para a abertura do Mundial, Haddad pediu que até esta sexta-feira fossem definidos os responsáveis por cada coisa, entre governos estadual, municipal e Corinthians.

Com as novas definições, Nádia Campeão afirmou que não haverá problemas para os prazos serem realmente cumpridos.

"Foi uma reunião bem prática, em que o prefeito também reafirmou os compromissos da cidade com todas essas questões. Marcamos uma agenda de trabalho mais intensa daqui para frente", concluiu.

Notícias relacionadas