'Operadores de bitcoins' são acusados de facilitar compra de drogas

Bitcoin Direito de imagem Reuters
Image caption Bitcoins são unidades monetárias virtuais

Os operadores de duas redes de trocas da moeda virtual bitcoin foram detidos nos EUA nesta segunda-feira.

Robert Faiella, conhecido como "BTCKing", e Charlie Shrem, do site Bitinstant.com, foram indiciados por lavagem de dinheiro.

Autoridades alegam que ambos faziam parte de um esquema para vender mais de US$ 1 milhão (R$ 2,4 milhões) em bitcoins a usuários do site de drogas ilegais Silk Road - fechado no ano passado.

Shrem, de 24 anos, foi preso no domingo, no aeroporto JFK, em Nova York. Faiella, de 52 aos, foi detido nesta segunda-feira em sua casa, em Cape Coral, Flórida.

Moeda

Bitcoins são unidades monetárias virtuais que têm valor porque um número suficiente de pessoas acredita nela e porque há uma quantidade finita de suas unidades.

Cada bitcoin é representada por um número de registro virtual único. E as redes de troca permitem que usuários troquem suas bitcoins por moedas tradicionais.

Shrem é acusado de permitir que Faiella usasse o BitInstant.com para comprar grandes quantidades de bitcoins para vender a usuários do Silk Road, que queriam comprar drogas anonimamente.

Segundo autoridades, Shrem sabia que as bitcoins eram usadas para fins ilegais - por isso, alegam que ele violou o Ato de Segredo Bancário dos EUA.

O Ato exige que instituições financeiras nos EUA avisem autoridades de qualquer atividade suspeita que sirva de indício para lavagem de dinheiro.

"Os dois réus foram indiciados por terem contribuído e facilitado a venda anônima de drogas, com ganhos substanciais", afirmou James Hunt, da agência antidrogas dos EUA.

'Vista grossa'

"Nosso papel é investigar e identificar quem incita o comércio ilegal de drogas em todos os níveis de produção e distribuição, incluindo os que enchem seus bolsos fingindo ignorância ou fazendo vista grossa", agregou o policial.

"É lamentável que o Silk Road continue a ocupar manchetes por sua associação com as bitcoins - é o lado negro das bitcoins, que não tem relação com a vasta maioria dos usuários da moeda digital", disse à BBC Emily Spaven, editora do site Coindesk.

Shrem é membro-fundador e vice-presidente da Fundação Bitcoin, organização criada para promover a moeda virtual como alternativa em transações comerciais.

"Estamos surpresos e chocados com a notícia (da prisão de Shrem)", disse um porta-voz da fundação. "Levamos tais acusações a sério e não apoiamos atividades ilegais."

Notícias relacionadas