'Crescimento de 2% não é otimismo', diz presidente do BC

  • 27 janeiro 2014
Alexandre Tombini. Foto: AP Image copyright AP
Image caption Após participação em Davos, Alexandre Tombini falou com estudantes em Londres

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, disse nesta segunda-feira que não está otimista com a situação da economia brasileira neste ano, mediante perspectivas de crescimento de cerca de 2% com a atual inflação próxima ao teto da meta.

"Eu não estou otimista com a situação. Eu acho que estes são tempos de desafios para todos, pois estamos em uma transição", disse Tombini em uma palestra a estudantes em Londres.

Após uma apresentação sobre perspectivas da economia brasileira para 2014, em que destacou números positivos de geração de empregos e de queda de custos de energia e de produção, ele foi questionado por uma integrante da plateia se sua visão não seria "otimista demais".

"Na minha visão, eu não sou otimista. O Brasil crescendo a 2% não é nada otimista. Inflação [flutuando] acima da meta não é nada otimista. O que estou passando é uma mensagem realista sobre onde estamos, o que estamos fazendo e quais são os focos da nossa ação daqui para frente."

Ele disse que, neste momento, é necessário fazer um diagnóstico claro da situação e reagir de forma adequada. Tombini afirmou que, para segurar a inflação, o Brasil reagiu aumentando os juros em 325 pontos da taxa Selic.

A previsão mais recente do FMI é de que a economia brasileira crescerá 2,3% em 2014.

Tombini disse que a inflação brasileira em janeiro deve ficar por volta de 5,7%, mostrando uma desaceleração em relação a dezembro e se mantendo abaixo do teto da meta do governo, de 6,5%.

Produtividade

Em sua exposição, o presidente do Banco Central disse que o Brasil, mesmo crescendo abaixo do potencial nos últimos três anos, conseguiu gerar 4,5 milhões de emprego com inclusão social. Para Tombini, o desafio agora é aumentar a produtividade dos trabalhadores brasileiros, com programas voltados para a educação acadêmica e técnica dos trabalhadores.

Ele falou que a confiança dos industriais brasileiros na economia aumentou de forma marginal nos últimos meses, mas que ainda é "preciso fazer mais" para estimular novos investimentos na criação de fábricas.

Sobre o cenário internacional, Tombini falou que o momento exige "muita cautela" das economias avançadas, que estão retirando estímulos financeiros que beneficiaram os índices de crescimento em países emergentes nos últimos anos.

Tombini disse que, de maio a setembro do ano passado, os rumores sobre o fim do programa americano de estímulos financeiros provocaram grande volatilidade do real.

Mas ele viu uma "melhora na comunicação" por parte das autoridades americanas a partir de dezembro. Desde então, segundo ele, mesmo com o anúncio formal do começo do fim dos estímulos, os mercados já não tiveram tanta volatilidade.

Notícias relacionadas