Gastos deixam rainha 'no vermelho' e geram pedidos de abertura de palácio

  • 28 janeiro 2014
Direito de imagem BBC World Service
Image caption O Palácio de Buckingham é aberto ao público diariamente nos meses de agosto e setembro

O Palácio de Buckingham deveria ser aberto para receber visitantes pagantes quando a rainha não estiver na residência, sugere um relatório preparado por uma comissão do Parlamento britânico.

O Comitê de Contas Públicas fez a sugestão após analisar os gastos da Casa Real, departamento que gerencia e administra os negócios oficiais da rainha Elizabeth 2ª.

O relatório concluiu que as contas deixaram um rombo de 2,3 milhões de libras (cerca de R$ 8,4 milhões) no Sovereign Grant, fundo de 31 milhões de libras (cerca de R$ 124 milhões) de dinheiro público dado à rainha todo ano para gastar em suas funções oficiais.

O dinheiro, repassado pelo Tesouro, é usado para pagar os gastos com compromissos oficiais, funcionários e a manutenção dos palácios. O rombo teve que ser coberto com um fundo de reserva.

O comitê criticou a Casa Real pelo rombo. A presidente do comitê, a deputada trabalhista Margaret Hodge, disse que havia "enorme margem para poupança" nos gastos da monarca.

"Não estamos acusando ninguém de desregramento, o que estamos dizendo é que não achamos que a rainha esteja sendo bem servida pela Casa Real e pelo Tesouro", disse a deputada trabalhista ao programa Today, da Radio 4 da BBC.

Para Hodge, a Casa deveria mostrar "mais firmeza" na elaboração de contingências para lidar com rombos e orçar custos de reformas e consertos, e o Tesouro teria o "dever de estar ativamente envolvido em revisar os planos e a administração financeira da Casa".

Direito de imagem PA
Image caption Segundo o relatório o Mausoléu da rainha Victoria e do príncipe Albert necessita de reparos

Hodge disse que a Casa Real escapou das medidas de austeridade impostas ao setor público, reduzindo os gastos em apenas 5% nos últimos seis anos.

"Eles mantiveram a mesma quantidade de funcionários que tinham há cinco anos, por isso acho que eles podem colocar mais dinheiro, e eles certamente devem lidar com as propriedades do patrimônio histórico."

Ela acrescentou: "A rainha pode atrair renda, com os visitantes do Palácio de Buckingham, mas o Palácio de Buckingham está aberto apenas 78 dias por ano, e recebe apenas cerca de meio milhão de visitantes."

"Compare isso com a Torre de Londres - eles recebem mais de 2 milhões de visitantes."

Ela disse que aumentar o número de visitantes anuais ajudaria a pagar por melhorias para reduzir as contas de electricidade e gás, e serviria para financiar melhorias tanto para o Castelo de Windsor quanto para o Mausoléu da rainha Victoria e do príncipe Albert, que está esperando há 18 anos por reparos.

Direito de imagem Reuters
Image caption O Sovereign Grant financia os deveres oficiais da rainha

As "salas de Estado" do Palácio de Buckingham - projetadas para monarcas "receberem, recompensarem e entreterem seus súditos e dignitários em visita" - são abertas ao público pagante todo ano durante agosto e setembro, desde 1993.

Inicialmente, essa receita ajudou a pagar pela restauração do castelo de Windsor, que foi danificado por um incêndio em novembro de 1992, e hoje vai para a instituição de caridade Royal Collection Trust, que administra a Royal Collection - "uma das coleções de arte mais importantes do mundo".

O Sovereign Grant foi de 31 milhões de libras (R$ 124 milhões) no ano passado e deve subir para 37,9 milhões de libras (cerca de R$ 151 milhões) em 2014-15.

Notícias relacionadas