De líder estudantil a camareiro de hotel; a 'mudança' de um bengali para o Brasil

Direito de imagem Arq pessoal
Image caption Faruk Hussain teve seu dinheiro roubado e foi obrigado a atravessar parte da Amazônia a pé

"Depois que eles me ameaçaram com uma arma, eu disse: 'Chega'. Sentei com a minha família e decidimos que eu precisava fugir de Bangladesh. E rápido. Tentei visto para a Alemanha e para a Noruega, mas não consegui. Fiquei sabendo de um agente que me levaria em poucos dias para o Brasil por US$ 10 mil. Paguei US$ 5 mil adiantado, me despedi de todos e embarquei com ele em um avião."

Assim começou a jornada de Faruk Hussain, administrador e líder estudantil de 25 anos, para deixar Daca (capital de Bangladesh) e tentar uma vida no Brasil. Leia o depoimento que o bengali deu à BBC Brasil, por telefone, de Brasília, onde vive atualmente.

"Eu era ligado ao movimento político e estudantil havia muito anos, então tinha uma certa influência nessa área lá em Daca. Mas homens ligados ao partido (governista) Awami não gostavam dessa minha posição política, porque eu sou ligado à oposição. Então eles começaram a me perseguir. A maioria deles é viciada em drogas, o que só piorava minha situação.

Um dia, estava de moto e me pararam. Me levaram para uma área meio deserta e encostaram uma arma em mim. No final, eles roubaram minha moto, não sem antes fazerem muitas ameaças. Então, vi o quanto era sério e tive de fugir.

Todo mundo me pergunta por que eu atravessei meio mundo e vim parar no Brasil, por que eu não poderia fugir para um país mais perto de casa. Mas não teria com eu ir para nenhum país próximo a Bangladesh. No Oriente Médio, você pode ser baleado ao tentar entrar em alguns países sem visto. Para um bengali também é muito difícil entrar e permanecer na Europa.

Já no Brasil tudo mundo me falava que era, sim, possível. Então, eu me agarrei nessa certeza e paguei o agente.

Para chegar aqui, primeiro passei pelo Peru e depois pela Bolívia. Ninguém me pediu visto, ninguém me fez nenhuma pergunta sequer. O agente que estava comigo dava dinheiro para os oficiais nos aeroportos e pronto. Na Bolívia, ele pagou US$ 75 e pronto, o cara carimbou meu passaporte.

Leia mais: Brasil vira rota de bengalis em busca de refúgio

Perigo na Amazônia

O trajeto de avião até a Bolívia, via Peru, até que foi simples. O problema começou depois. Do aeroporto de Santa Cruz (Bolívia), pegamos um ônibus até a fronteira com o Brasil. Lá, o tal agente roubou todo o meu dinheiro e me entregou para um outro cara, que me obrigou a entrar na selva.

Cada vez que eu tentava reclamar, dizer que não era esse o trato ou dizer que estava havia dois dias sem comer, ele me batia ou me chutava. Isso no meio da Amazônia. Foi muito difícil essa travessia, muito perigoso, não gosto muito de lembrar.

Chegando em Corumbá, ele me botou num ônibus para Brasília. Cheguei sem falar nada de português e não conseguia achar ninguém que falasse inglês. Mas encontrei um taxista que entendeu que eu queria chegar no bairro de Samambaia, onde sabia que teria outros bengalis e eles poderiam pagar a corrida.

Chegando lá, realmente encontramos um grupo de bengalis e eles pagaram a corrida. Mas em seguida eles pegaram meu passaporte e cobraram outros US$ 2 mil para me conseguir o visto. Eu não tinha o que fazer, não conhecia ninguém.

Mas outras pessoas que estavam nessa casa comigo, na mesma situação, resolveram chamar a polícia. E então fomos ajudados pela irmã Rosita (Milese, diretora do Instituto de Migrações e Direitos Humanos - IMDH). Devo tudo a ela.

Emprego

Depois disso as coisas começaram a melhorar. Eu entrei oficialmente com um pedido de refúgio ao governo brasileiro. E pouco depois, comecei a fazer aula de português na UnB (Universidade Federal de Brasília) e arrumei um trabalho como camareiro em um hotel.

Direito de imagem Renato Alves . MTE
Image caption Bengali trabalha em um hotel em Brasília, mas não conta o que faz para a mãe

É um ótimo emprego, mas eu não conto para minha família que trabalho como camareiro. Eu sou formado, fiz faculdade de negócios e administração, tinha um bom emprego em Daca, na minha área. Então, é complicado. Quando ligo para minha mãe, falo só que trabalho em um hotel e que é um bom emprego para mim, não entro em detalhes.

Eu acho que vou arranjar em emprego melhor em breve, talvez no hotel mesmo, mas em outro cargo. Eu já achava isso, mas depois que tive a notícia da residência, passei a ter certeza.

Em dezembro, fiquei sabendo que minha situação seria regulamentada pelo governo e eu ganharia residência permanente. Até participei de um encontro em que fui cumprimentado pelo ministro (do Trabalho e Emprego, Manoel Dias).

Eu já podia trabalhar somente com o protocolo temporário, que recebi quando fiz o pedido de refúgio. Mas com essa residência - e com as aulas de português - posso consegui um cargo melhor.

Mas apesar da cerimônia com o ministro, ainda não recebi nenhuma previsão de quando vou ter o documento na mão e poder viver no Brasil permanentemente. O governo simplesmente não me dá nenhum prazo. Muitos estrangeiros ficam esperando, sem ter nenhuma ideia de quando vão receber a residência.

Mas enquanto eu espero, vou aproveitando minha vida no Brasil, que é muito boa. Não quero mais voltar. Vou construir minha vida aqui agora. E vou matando a saudade de Bangladesh experimentando de tudo que vem da cozinha brasileira. Sei que é difícil acreditar, mas a comida aqui é muito parecida com a que comia em casa. Quer dizer, aqui é minha casa agora."

Notícias relacionadas