Aos 39, Matteo Renzi é encarregado de formar novo governo na Itália

  • 17 fevereiro 2014
Matteo Renzi | AFP Image copyright AFP
Image caption Se conseguir formar governo, Matteo Renzi poderá se tornar premiê mais jovem da Itália

O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, convidou nesta segunda-feira o prefeito de Florença, Matteo Renzi, a formar um novo governo para o país.

Renzi, de 39 anos, recebe a missão após a renúncia do ex-premiê Enrico Letta, na sexta-feira.

Letta, que ficou apenas dez meses no cargo, sofria grande pressão por conta da má situação econômica da Itália e deixou o governo por decisão de seu próprio partido Democrático (PD, de centro-esquerda).

O voto de confiança interno a Letta foi convocado por Renzi, que é líder do PD desde dezembro do ano passado. A legenda é a principal força política do país atualmente e domina a coalizão de governo.

Com a queda de Letta, Renzi passou a ser tido como favorito para comandar a Itália. Ele deve iniciar negociações para formação do governo na terça-feira e, se conseguir, se tornará o primeiro-ministro mais jovem da história da Itália, sendo dois meses mais novo que Benito Mussolini quando assumiu o poder, em 1922.

A expectativa é de que ele possa ser empossado já na quinta-feira.

Desafios

Após uma reunião de 90 minutos com Napolitano, Renzi disse estar comprometido e determinado em implementar reformas urgentes no país.

Ele revelou que pretende introduzir mudanças na Constituição no final de fevereiro, reformas trabalhistas em março e melhorar a burocracia no mês seguinte. "A questão mais urgente que preocupa não somente a minha geração é a trabalhista, o desemprego e o desespero", disse Renzi a jornalistas.

Porém, antes disso, a prioridade de Renzi deverá ser garantir o apoio do partido Nova Centro-Direita, que já compõe a coalizão atual com os democratas.

Mas o líder do partido, Angelino Alfano, disse que a manutenção da aliança não pode ser tida como “fato consumado” e que vai fazer exigências a Renzi antes de se unir ao novo governo.

"Somos decisivos para a criação do novo governo. Se dissermos não, não tem novo governo”, disse Alfano.

Segundo a mídia italiana, os dois homens mantiveram contato regular durante o fim de semana por meio de mensagens de celular.

Após ser empossado, Renzi ainda terá de buscar voto de confiança nas duas casas do Parlamento.

Popularidade

Renzi nunca foi eleito para o Parlamento ou atuou na administração federal antes. Por isso é tido por muitos como um alguém que não estaria apto a assumir o posto mais alto do governo italiano.

Carismático, de estilo informal e autodeclarado "extremamente ambicioso", ele ganhou popularidade desde que chegou ao comando da prefeitura de Florença, em 2009.

Isso se deve em parte ao seu discurso que prega a troca de todo o establishment político italiano - amplamente desacreditado pela população, por conta de denúncias de corrupção e ineficiência.

De um lado, a ascensão de Renzi é vista como uma ruptura com o passado e uma necessária renovação geracional na política italiana. De outro, ele é tido como totalmente inexperiente, justamente por ser novo no cenário político.

Além disso, sua ascensão - baseada no discurso de renovação - causa incômodo dentro da ala mais antiga do partido Democrático e de sua coalizão governista, que inclui elementos da centro-direita.

Notícias relacionadas