Cidades-sede tentam reduzir custos de Fan Fests da Copa

Fun Fest. Getty Direito de imagem Getty
Image caption Nem todas as cidades divulgaram custos da Fun Fest; no Recife, prefeitura desistiu

A quatro meses da Copa do Mundo, as prefeituras das cidades-sede buscam diferentes formatos para reduzir os custos e concretizar as Fan Fests, eventos públicos com shows e transmissões de jogos que ocorrerão ao longo da competição. Ao contrário do Recife, que desistiu de promover o evento por não querer arcar com os gastos, a maioria das prefeituras pretende realizar a festa, mas busca meios de cortar gastos e repassá-los para o setor privado por meio de patrocinadores.

Iniciadas na Copa da Alemanha e presentes também no Mundial da África do Sul, as festas são feitas em locais centrais com grande capacidade de público, abrigando transmissões de jogos, shows e atrações culturais. Os custos para as prefeituras devem girar em torno de R$ 10 a R$ 20 milhões.

Apenas algumas cidades-sede divulgaram os custos. No Recife, festa foi orçada em R$ 11 milhões, em Manaus estima-se que custe R$ 10 milhões, em Curitiba os gastos chegarão a R$ 6,7 milhões e em Porto Alegre, a organização diz trabalhar com um teto de R$ 10 milhões.

Entre as opções para economizar os eventos estão a preferência por artistas regionais e a transferência do evento para locais fechados, que já tenham infraestrutura, como centros de convenções e estádios.

Várias cidades buscam recursos privados para bancar a festa.

Recife afirma que desistiu de promover o evento justamente porque não conseguiu recursos dos patrocinadores oficiais – Coca Cola, Ambev, Itaú, OI, Hyundai/KIA, Sony, Jonhson & Jonhson.

Divisão de custos

Segundo a Fifa, as Fan Fests serão “realizadas, financiadas e organizadas conjuntamente pela Fifa, o COL (Comitê Organizador Local) e cada uma das sedes, com o apoio da TV Globo, a parceira de mídia oficial da Fifa na Copa do Mundo da Fifa 2014”. Não fica claro, porém, qual o valor que cada parte vai investir.

Os custos, divididos entre essas três diferentes frentes da organização (Fifa, TV Globo e prefeituras) têm algum detalhamento no “ Manual do Evento”, documento elaborado pela Fifa e disponível para consulta na internet.

Cabe à Fifa oferecer o palco, telão e equipamentos de luz e som. Já a TV Globo fica responsável pelas despesas de divulgação, transmissão, e de apresentadores. As prefeituras, por sua vez, arcam com os locais, estruturas temporárias, segurança, praças de alimentação, organização, limpeza, além de pagar pelos camarins, passagens, hospedagem e traslados de artistas.

A chefia da organização de uma das Fan Fests explicou à BBC Brasil que a TV Globo é a responsável pelo pagamento dos cachês de todas as atrações, sejam regionais ou nacionais, mas a informação não foi confirmada pela Fifa. Aparentemente a realização das Fan Fests também nunca foi obrigatória, dado o exemplo de Recife, onde o evento pode não acontecer.

Segundo a chefia de uma das Fan Fests, a Fifa disponibilizou inicialmente três opções: apenas transmissão de jogos, transmissão com shows e atrações somente regionais ou com a inclusão de artistas nacionais.

“Num seminário em que pudemos apresentar nossos projetos, não me recordo de nenhuma sede que não tenha optado pelo formato com shows nacionais, o mais caro. E havia algumas com até 20 artistas de peso, o que encarece o evento”, diz a fonte.

Ela também explica que no evento cada cidade-sede pôde marcar reuniões individuais com os patrocinadores oficiais da Fifa em busca de recursos adicionais. A busca de outros patrocinadores depende de autorização da Fifa, e há regras específicas que devem ser seguidas. Questionada pela BBC Brasil, e entidade não confirmou as informações obtidas junto à chefia de uma das 12 Fan Fests.

Veja abaixo a situação atual da organização das Fan Fests em todo o país:

BRASÍLIA

Direito de imagem Portal da Copa
Image caption Brasília desistiu de evento na Esplanada dos Ministérios, temendo manifestações

Cogitou-se inicialmente realizar o evento na Esplanada dos Ministérios, mas decidiu-se por um lugar afastado do centro por causa da expectativa de realização de protestos no local, segundo o admitiu o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke.

O governo do Distrito Federal optou por realizar a festa na periferia da cidade, no Taguapark, atendendo assim principalmente a população das cidades satélites de Brasília -- Taguatinga, Ceilândia e Samambaia.

A expectativa é receber até 200 mil pessoas a cada dia de jogos, durante os horários de pico. Não há definição ainda de quais serão as atrações e qual o valor que o governo gastará com a infraestrutura do evento.

SÃO PAULO

A cidade terá seis locais de transmissão de jogos e shows: o palco da Fan Fest, no Vale do Aguangabaú e mais cindo espalhados pela cidade -- Praça do Samba (Perus), Parque da Juventude (Santana), Parque do Povo (Pinheiros), Praça Benedicto Rodrigues (Ermelino Matarazzo) e Praça João Tadeu Priollli (Campo Limpo).

Direito de imagem Afp
Image caption São Paulo repassou à iniciativa privada a realização dos eventos

A Prefeitura de São Paulo repassou a organização da Fan Fest e de mais cinco espaços para transmissão dos jogos para duas empresas, que terão direito de vender espaços publicitários no local.

As empresas Playcorp e D+Produções ganharam o direito de promover os eventos e poderão vender espaço publicitário para marcas que não sejam concorrentes diretas dos patrocinadores oficiais da Fifa.

As atrações do Vale do Anhangabaú serão definidas pela Rede Globo, mas as apresentações dos outros palcos vão ser escolhidas pela Secretaria de Cultura de São Paulo, que quer privilegiar artistas das cinco regiões.

O edital que selecionou as empresas previu também que elas façam investimentos nas regiões. Playcorp e D+Produções terão, por exemplo, que construir uma ciclovia na Praça Benedicto Ramos Rodrigues e instalar equipamentos de ginástica no Parque da juventude e na Praça do Samba,

MANAUS

Em Manaus o evento será realizado no Complexo Turístico da Ponta Negra, zona oeste da cidade. O local passou por reformas nos últimos anos no valor de cerca de R$ 55 milhões – não por causa da Copa.

De acordo com a Prefeitura, os custos da Fan Fest estão estimados em torno de R$ 10 milhões, que serão bancados pelo patrocínio das empresas oficiais ligadas ao evento. Apenas uma pequena parcela – não informada pela Prefeitura -- será paga pelo Tesouro Municipal.

CURITIBA

Direito de imagem Morio
Image caption O orçamento para a festa na Pedreira Paulo Leminsky, em Curitiba, é de R$ 6,7 milhões,

O orçamento para a festa é de R$ 6,7 milhões, e a prefeitura ainda negocia com patrocinadores para tentar reduzir seus gastos ou complementá-los, a depender de quanto conseguirão levantar. O evento ocorrerá na Pedreira Paulo Leminski, cuja lotação máxima é de 26 mil pessoas. As atrações não estão definidas ainda.

NATAL

Procurada pela BBC Brasil, a prefeitura não informou detalhes sobre a Fan Fest.

RECIFE

Na semana passada, a capital pernambucana tornou-se a primeira das 12 cidades-sede da Copa a confirmar oficialmente que não vai arcar com sua parte dos custos de realização da Fan Fest. Orçada inicialmente em R$ 20 milhões, a festa já tinha tido custo reduzido para R$ 11 milhões.

A prefeitura argumentou que não recebeu resposta dos patrocinadores da Fifa quanto à oferta de direitos adicionais, o que garantiria mais recursos para o evento, e deixou claro que neste momento não pretende lançar editais públicos abrindo concorrência para patrocinadores externos.

O plano B é obter a autorização da Fifa para que as partidas sejam transmitidas em telões nos locais onde ocorre a tradicional Festa de São João da cidade. Em 2013, o público total da festa, que aconteceu de 6 a 29 de junho, foi de 1,5 milhão de pessoas. Houve 11 arraiais oficiais e outros 47 apoiados pela prefeitura.

CUIABÁ

Embora esteja buscando patrocinadores externos, a capital do Mato Grosso teve sua parte dos custos da organização da Fan Fest coberta pelo governo do Estado. De acordo com a organização, todos os trâmites estão sendo comunicados à Fifa.

“Não houve nenhuma mudança. O local da festa é o mesmo e os planos foram mantidos. Os custos serão divididos entre Fifa, governo do Estado, TV Globo e patrocinadores. Estamos apenas buscando o OK final quanto aos patrocínios”, diz a organização.

A festa deve ocorrer no Parque de Exposições. “O local já é nosso, da prefeitura. Vamos precisar de poucas estruturas temporárias. Não são investimentos de vulto”, complementa o município, sem informar estimativa de custos.

RIO DE JANEIRO

Direito de imagem AFP
Image caption Rio criou empresas para gerenciar eventos ligados à Jornada da Juventude e a Copa do Mundo

Em entrevista à BBC Brasil, a RioEventos, órgão da prefeitura criado para organizar a Copa das Confederações, Jornada Mundial da Juventude e a Copa do Mundo, disse que a cidade segue negociando com a Fifa e que, até o momento, não há confirmação sobre os planos da Fan Fest na cidade, que deve ocorrer na praia de Copacabana.

"São rumores. Não há nada decidido, e não há estimativas. Esperamos que seja o quanto antes", disse o órgão, sem precisar um orçamento estimado. "Primeiro precisamos decidir com a Fifa se vai haver a Fan Fest. Havendo o evento, precisamos definir o tamanho, a escala. E só aí é possível ter uma ideia de custos".

PORTO ALEGRE

A capital gaúcha aposta em iniciativas que reduzam o orçamento de sua Fan Fest. O local da festa foi alterado do Largo Glênio Peres, na orla do rio Guaíba, para o Anfiteatro do Pôr do Sol. Mas já se cogita uma nova alteração para o Ginásio Tesourinha, ou uma descentralização da festa, espalhando os eventos por mais bairros.

A prefeitura diz ter negociações avançadas com os patrocinadores oficiais da Fifa, que devem pagar por direitos adicionais de publicidade, aumentando os recursos. Dos mais de 60 shows previstos no planejamento, apenas cinco serão de atrações nacionais.

Em reação ao anúncio de Recife, o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, deixou claro que a cidade vai se articular de todas as maneiras para não arcar com os custos da festa. A organização diz que não há estimativas concretas de custo, mas trabalha com o teto de R$ 10 milhões.

SALVADOR

Direito de imagem Abr
Image caption Salvador se limitou a dizer que a decisão do Recife de não investir “teve impacto” nos planos da cidade

Procurada pela reportagem, a prefeitura de Salvador se limitou a dizer que a decisão do Recife “teve impacto” nos planos, que passam agora por um momento de “realinhamento”. Não foram divulgadas estimativas de custos nem estratégias da cidade para viabilizar o evento, cuja localização estaria sendo alterada do Jardim de Alah para a Cidade Baixa.

FORTALEZA

A prefeitura diz que os preparativos estão “a todo vapor” e ressalta que a Fan Fest “é um espaço que demoratiza a Copa do Mundo, pois é a opção gratuita de exibição dos jogos para o público que não irá ao estádio”. O local inicial está mantido, e a festa deve ocorrer no Aterro da Praia de Iracema.

A cidade não divulgou estimativa de custos e afirmou que ainda está em negociação com os patrocinadores da Fifa, além de continuar “promovendo parcerias com a iniciativa privada a fim de reduzir ao máximo os custos”.

BELO HORIZONTE

O local da festa foi alterado da Praça da Estação para a Expominas, eliminando ao máximo a necessidade de construção de estruturas temporárias, e o município aprovou uma lei criando novas possibilidades de ações promocionais, programação visual e lançamentos de produtos cujos recursos ajudarão na organização de ações da Copa, entre elas a Fan Fest.

“Um dos objetivos da lei é contribuir para a decoração da cidade, criando uma atmosfera que poderá envolver positivamente a comunidade local (...) O licitante poderá então propor projetos especiais de engenhos, outdoors, infláveis, painéis, projeções, totens, flâmulas, dentre outros”, explica a prefeitura, ressaltando que a Expominas é atendida por uma estação de metrô e diversas linhas de ônibus, o que deve facilitar o acesso dos moradores e turistas.

Não há estimativas de custos até o momento.