Ucrânia alerta Rússia contra 'agressão militar' na Crimeia

Foto: AP Direito de imagem AP
Image caption Barricadas em frente ao prédio do governo na Crimeia, com um cartaz dizendo 'Crimeia Rússia'

O presidente interino ucraniano, Olexander Turchynov, alertou a Rússia contra qualquer tentativa de "agressão militar" na Crimeia, região no extremo sudeste do país.

Turchynov disse que as tropas da Frota russa do Mar Negro não estão autorizados a operar além de sua base naval na cidade costeira de Sebastopol.

A advertência vem depois que homens armados tomaram o Parlamento regional da Crimeia em Simferopol, capital da república, palco de confrontos entre grupos pró e anti-Rússia.

A bandeira russa foi hasteada sobre ambos os edifícios. Não está claro quem são os homens armados.

O Parlamento da Crimeia disse que pretende organizar um referendo sobre a reivindicação de mais autonomia do governo central em Kiev.

Em meio ao aumento das tensões, agências de notícias russas afirmam o presidente deposto ucraniano, Viktor Yanukovych, estaria na Rússia - e não é descartada a possibilidade de o ex-mandatário estar em Moscou.

'Acordos básicos'

"Gostaria de chamar a liderança da Federação da Rússia a respeitar os acordos básicos sobre a presença militar russa na República Autônoma da Crimeia", disse Turchynov.

Direito de imagem AFP
Image caption Bandeira russa no Parlamento da Crimeia

A Rússia realiza um segundo dia de exercícios militares em regiões perto da fronteira com a Ucrânia, com caças em "alerta de combate".

"Patrulhas aéreas constantes estão sendo realizadas por aviões de combate nas regiões fronteiriças", informou o Ministério da Defesa da Rússia.

Na quarta-feira, o presidente Vladimir Putin ordenou a realização dos exercícios.

Os Estados Unidos alertaram contra qualquer intervenção militar por parte da Rússia.

Separatismo

Turchynov, o presidente interino da Ucrânia, expressou preocupação com o que chamou de "série ameaça" separatista no país. A Ucrânia vive um momento de tensão entre sentimentos nacionalistas, despertada com os protestos que resultaram no afastamento do presidente pró-Rússia Yanukovych.

A Rússia vem considerando a deposição de Yanukovych como um golpe da oposição, enquanto a maioria dos países da União Europeia apóia a mudança de governo.

Segundo o repórter da BBC em Simferopol, Daniel Sandford, a violência na cidade ilustra a complexidade da situação da região, que piorou diante do vácuo de poder.

"Os crimenianos russos temem que o novo governo em Kiev represente uma ameaça a seus laços com a Rússia", afirmou Sandford.

Já os crimenianos de etnia tártara apoiam a mudança. Tidos como os primeiros ocupantes da região, eles sofreram uma invasão russa no século 18 e, nos anos 1940, acabaram expulsos da região por Stalin, só retornando à Crimeia nos anos 1990.

Notícias relacionadas